sábado, 30 de outubro de 2010

Abaixo Mensagem de Nossa Senhora em Divinópolis-MG

Mensagens sobre carregar a cruz de cada dia
Nossa Senhora convida todos a carregarem a cruz de cada dia e oferecê-la a Deus e pelos outros. Todos os Santos carregaram grandes cruzes em suas vidas. Devemos seguir os exemplos deles.


Mensagem de 15/03/2008: Trecho: “Meus amados filhos, é fácil carregar um Crucifixo, é fácil beijar a Cruz, é fácil rezar a Via Sacra e meditar as minhas Dores. Mas difícil é cada um carregar a sua cruz, difícil é suportar dores por amor a Deus. Muitos de vocês têm desprezado suas cruzes e jogado-as fora, mas eu lhes peço: pegue cada um a sua cruz e carreguem. Por causa do pecado do mundo Jesus teve que carregar uma Cruz muito pesada sobre seus ombros e eu tive que suportar Dores terríveis em minha vida. Mas isso foi necessário para a salvação do mundo, foi preciso tudo isso e o resultado foi ótimo! Nenhuma cruz é eterna, todas têm um fim e podem ser por uma boa causa. Toda cruz é dolorosa, pesada, desagradável e difícil de carregar. Se não fossem assim não seriam cruzes. Filhinhos, suportem, agüentem e enfrentem as dificuldades, doenças e pessoas difíceis pelo bem dos outros, dos familiares e principalmente, pelo bem de vocês mesmos, pois todas as dores que sofrerem por Jesus e pelos irmãos serão transformadas em alegrias no Paraíso. Jesus sofreu muito e hoje é glorioso. A Cruz de Jesus foi uma grande graça para o mundo. Suas cruzes podem ser uma graça para vocês e muitos outros. A Cruz de Jesus foi o caminho para a glória da Ressurreição. Suas cruzes serão seu caminho para a felicidade do Céu. Por isso, aceitem e suportem as cruzes que a vida lhes dá, pois quanto mais algo lhes custa, mais vale para Deus. Ele vê tudo e sabe muito bem o quanto lhes custam e pesam os sofrimentos. Ele não ignora nada e os recompensará por tudo, nada escapa ao seu olhar. Carreguem sua cruz e verão que nunca carregarão sozinhos porque Ele, o Senhor dos Passos, estará sempre com vocês junto de mim, a Virgem Dolorosa do Calvário. E assim vocês verão que suas cruzes não são tão pesadas como a Cruz de Jesus e que suas dores não são maiores que as minhas Sete Dores, porque a Cruz maior Jesus já carregou para vocês e a Dor maior Jesus já sofreu no lugar de vocês.”

Mensagem de 22/08/2002 – “Deus acompanha cada um de vocês no sofrimento. Ele nunca os desampara. Vocês têm problemas, mas querem fugir deles. Se fugirem estarão negando a sua cruz e cada um tem a sua. Todos vocês têm uma cruz. Mas não sabem abraçar suas cruzes como deve ser. Abracem sua cruz com amor, com dedicação. Se ela estiver muito pesada, lembrem-se de que Deus não permite que sejam tentados acima de suas forças. Deus não lhes daria uma cruz que não conseguiriam carregar. Ele conhece as fraquezas de cada um, suas limitações e tudo o mais que existe em vocês. Meus filhos queridos, leiam esta mensagem e verão uma solução. Suas doenças são uma simples cruz, são um simples fardo que Deus lhes deu para carregar.”

Mensagem de 28/10/2002 – “Aceitem com amor cada provação que o Senhor lhes dá, com amor e aceitação. Se elas vierem, aceitem. É Deus quem as dá, é Deus. Elas vêm de Deus. Não é que seja ruim. A vida é assim, meus filhos. Deus provará cada um de vocês. Mas muito mais que Ele, a vida os provará com suas tempestades, relâmpagos e trovões. As tempestades da vida passam, se acabam e logo há um céu limpo em seu lugar. Tudo vai passar, filhinhos, tudo vai passar! Tudo passa. Só Deus não passa.”
Postado por Leandro Ferreira às 07:10 Enviar por e-mail BlogThis! Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook Compartilhar no Google Buzz
Mensagens sobre a santidade
As mensagens de Nossa Senhora sobre a santidade são encorajadoras. No dia 1º/11/2005, Dia de Todos os Santos, Leandro passou numa igreja e havia um grupo de crianças de 9 e 10 anos com a catequista. Foi na presença desses pequeninos que Nossa Senhora nos falou da santidade:


Mensagem de 1º/11/2005 –Trecho: “Vocês estão aqui nesta igreja porque querem Jesus. Vocês querem ser felizes. Essa felicidade que querem está no Céu. Está lá. Mas para chegar lá, vocês têm que ser santos. Só entra no Céu quem é santo. Olhem os Santos que hoje comemoramos. Eles são uma alegria para mim e para Deus. Eles foram Santos porque quiseram ser. Ser santo não é impossível. Quando uma pessoa quer, ela consegue. Com Deus nada é difícil. Com Ele tudo se consegue. Os Santos deixaram Deus agir em suas vidas. Vocês não deixam... Os Santos se abriram totalmente para Deus. Vocês não se abrem... Os Santos quiseram fazer a vontade de Deus. Vocês não fazem... Os Santos viveram os Dez Mandamentos. Vocês não vivem... Só é santo quem ama a Deus acima de tudo. Só é santo quem ama o irmão como a si mesmo. Só é santo quem vive o amor. Viver a santidade é viver o amor. Nestes tempos difíceis eu digo para vocês: coragem, meus filhos, coragem! Vocês não podem ter medo nem se desesperar. Tenham coragem, muita coragem no mundo de hoje. Não pensem no futuro, no amanhã. Pensem no hoje, vivam o dia de hoje. É o único tempo que têm para serem santos. Mas esse tempo se acaba. A vida de vocês aqui na Terra não é eterna. Ela é uma simples passagem que passa muito rápido. E quando forem para junto de Deus para serem julgados e Ele lhes perguntar por que não foram santos? O que dirão? O que responderão? Decidam-se por Deus, meus filhos. Este tempo é tempo de decisões. Vocês não se decidem... Segurem suas vontades e seus desejos da carne. Não façam tudo o que quiserem, pois poderão fazer o mal. Os Santos souberam se segurar e controlar seus maus desejos. O tempo deles já passou. Estão lá no Céu agora. O tempo agora é de vocês. É a vez de vocês serem santos. Meus filhos, peguem e carreguem a sua cruz, o sofrimentos em suas vidas. Aceitem a cruz com paciência e resignação. Todos os Santos carregaram a sua cruz. Não se chega ao Céu sem a cruz. Para serem santos, sejam como crianças, sejam crianças. Os Santos foram assim. Eu e Jesus fomos crianças um dia e assim permanecemos a vida toda. Sejam crianças vocês, Humanidade adulta, jovens e idosos. Não importa a idade ou o que fizerem, sejam crianças puras, simples e bondosas. As crianças são os maiores exemplos para vocês, são os Santos de hoje. Sejam como elas. Não sejam orgulhosos, mentirosos, rancorosos, gananciosos, impuros, materialistas. Não, não sejam nada disso. Sejam caridosos, generosos, orantes, fieis, amantes da oração e da Eucaristia. Todos os Santos deram valor à Eucaristia e vinham freqüentemente à igreja para comungar e adorar Jesus. Rezem todos os dias ao Espírito Santo. Peçam-no todos os dias. Para serem santos, peçam o Espírito que é Santo. E sejam como crianças sempre. Deus salvou vocês. Agora, basta vocês pegarem a salvação que lhes é oferecida. Os Santos são as flores que hoje enfeitam o Paraíso. Mas lá cabem muitas, muitas mais. E esse espaço em que faltam flores, é para vocês que estão aqui neste mundo. Que na alegria da eternidade, nós estejamos juntos. E lá cantaremos um louvor eterno ao Senhor: aquele que é Santo, Santo, Santo.”

Mensagem de 01/07/2008 – Exemplos do Calvário: “Meus filhos, não sejam aqueles que se acovardam, sejam aqueles que aconteça o que acontecer, custe o que custar, fazem de tudo por Jesus como os Santos. Sejam aqueles que não medem esforços nem sacrifícios, como os Santos mártires. Não sejam aqueles que recuam, sejam corajosas testemunhas de Jesus diante deste mundo que não quer crer, como João, Maria Madalena e as piedosas mulheres que passaram aquelas horas diante de Jesus na Cruz e não o abandonaram nem fugiram (Ler João 19,25-27). Sejam aqueles que têm muito respeito como José de Arimatéia e Nicodemos, (Ler João 19,38-42) que com carinho tiraram o Santo Corpo de Jesus da Cruz e o cobriram com perfumes. Jesus tem sede, sede de pessoas que o amem e o adorem. Que cada um de vocês seja como um novo João: aquele discípulo que amava muito Jesus e era muito amado por Ele.”

Mensagem de 30/09/2001 – “Meus filhinhos queridos, os Santos foram verdadeiros filhos obedientes. Eles fizeram muitos sacrifícios dolorosos e consolaram profundamente o Senhor. Agora é a vez de vocês fazerem sacrifícios e penitências por amor a Deus e ao próximo que é o seu irmão pecador e por amor a mim, sua Mãe que te ama tanto a ponto de derramar lágrimas de sangue por cada um de vocês, pelo mundo inteiro.”

Mensagem de 13/10/2002 – “Olhem os Anjos. Eles fazem tudo aquilo que o Senhor manda e o obedecem em tudo. São servos Dele. Vocês são pobres criaturas. Vocês são pó. Mas suas almas não são pó. É por isso que Deus os ama. Ele os criou à sua imagem e semelhança e suas almas vêm Dele. Cuidem de suas almas, filhinhos! Vocês desobedecem muito ao Senhor. Os Anjos não o desobedecem e Deus ainda ama vocês muito mais que a eles porque Ele é Pai de vocês. Vocês todos são filhos Dele, filhos muito rebeldes por sinal, que não conseguem viver os Dez Mandamentos. Eu vivi cada um durante minha vida aqui na Terra. Fui vivendo-os e pondo-os em prática. Sei que é difícil para vocês. Acham que não conseguirão como eu consegui? Se eu consegui é porque Deus permitiu e assim quis. Ele fez os Dez Mandamentos pensando em vocês. Ele sabe que vocês são fracos, Ele sabe. Mas no Céu tem um monte de Santos e Santas que foram iguais a vocês antes de se santificarem. Eles tinham fraquezas. Eu mesma sou testemunha disso. Quantos deles já chegaram a errar feio. E eu via como a misericórdia de Jesus os acompanhava e os fazia crescer, a subirem mais um degrau na fé até chegarem à plenitude da verdade no Céu. Rezem, filhinhos, rezem aos Santos de quem tanto gostam. Eles acompanham vocês durante suas vidas. Eles ajudam e amparam vocês intercedendo junto ao Senhor que é o único e verdadeiro autor de seus milagres.”

Abaixo Artigo- O Rei Vem!

2080912 O REI VEM

Está escrito em Daniel 7, 13 Olhando sempre a visão noturna, vi um ser, semelhante ao filho do homem, vir sobre as nuvens do céu: dirigiu-se para o lado do ancião, diante de quem foi conduzido. 14 A ele foram dados império, glória e realeza, e todos os povos, todas as nações e os povos de todas as línguas serviram-no. Seu domínio será eterno; nunca cessará e o seu reino jamais será destruído.

Relendo as últimas mensagens ao Cláudio, notamos a insistência com que o Céu nos pede para falarmos do Rei que vem – naturalmente Jesus – que vem agora com todo poder e glória, vem sobre as nuvens do Céu. Vem sim, como juiz primeiramente para julgar as nações, depois para julgar a cada um de nós, e enfim para implantar aqui na terra o Seu Reino definitivo. Isso nos deve animar e não amedrontar, porque a vitória final está gravada nas Escrituras, e o que ali está gravado é palavra final. Sim, embora nem sempre a compreendamos.

Outro pedido dos céus, aliás, um pedido que vem desde Jesus é que observemos todos os sinais que indicam este evento grandioso, certamente o mais estupendo qual jamais outro igual irá acontecer, enquanto os homens existirem neste planeta, e para até nunca mais. O que a nossa geração – somos a geração dos últimos dias – irá presenciar, é algo que ultrapassa o entendimento humano. Como está em Mateus 24, 32 Compreendei isto pela comparação da figueira: quando seus ramos estão tenros e crescem as folhas, pressentis que o verão está próximo. 33 Do mesmo modo, quando virdes tudo isto, sabei que o Filho do Homem está próximo, à porta. 34 Em verdade vos declaro: não passará esta geração antes que tudo isto aconteça. Qual geração? A nossa! De hoje!

Mas, infelizmente, embora a sua proximidade iminente, embora os sinais claros que indicam a chegada do tempo do Rei que vem, e embora o clamor das vozes proféticas anuncie este final, bilhões de pessoas continuam a viver como se nada fosse acontecer. Mas, por outro lado, vemos muitas pessoas ansiosas, esperando tudo com urgência, muitas delas desejando ardentemente o fim disso tudo, até para se livrarem da imensidão de seus problemas. Mal sabem estes que melhor seria desejar a morte desde já, porque antes da chegada do Rei que vem, Ele mesmo disse que “os vivos invejarão os mortos”. Antes do Rei vem a hecatombe, causada pelo último estertor do inferno!

Por que invejarão? Como está dito em Daniel 12, 1 Naquele tempo, surgirá Miguel, o grande chefe, o protetor dos filhos do seu povo. Será uma época de tal desolação, como jamais houve igual desde que as nações existem até aquele momento. Então, entre os filhos de teu povo, serão salvos todos aqueles que se acharem inscritos no livro. 2 Muitos daqueles que dormem no pó da terra despertarão, uns para uma vida eterna, outros para a ignomínia, a infâmia eterna. Como Jesus repetiu em Mateus 24, 21 porque então a tribulação será tão grande como nunca foi vista, desde o começo do mundo até o presente, nem jamais será. Mas quando é que isso acontecerá?

Nós já fizemos certas matemáticas sobre os tempos em que tudo isso acontecerá, porém como sempre tenho afirmado tudo são cálculos humanos, racionais, que primeiramente podem sofrer distorções terríveis, e segundo, nunca agradam a todos. A verdade é que os tempos citados nas Escrituras contemplam sempre inúmeras definições, de modo que a gente somente entenderá quando de fato acontecer. O sentido maior destas citações da Bíblia, não é definir um dia, nem uma hora, porém delimitar o grande tempo – meses, e anos – dentro do qual estes eventos se tornarão realidade. E o que importa aqui afirmar é que nós estamos sem dúvida já estamos na contagem destes tempos finais.

E a prova está, por exemplo, escrita em Daniel 8, 13 Ouvi um santo que falava, a quem outro santo respondeu: quanto tempo durará o anunciado pela visão a respeito do holocausto perpétuo, da infidelidade destruidora, e do abandono do santuário e do exército calcado aos pés? 14 Respondeu: duas mil e trezentas noites e manhãs. Depois disso o santuário será restabelecido. Vejam aqui a dificuldade: o anjo fala de 2.300 dias, ou quer se referir a meios dias? O que daria na realidade 1.150 dias? Tudo é então confuso, e se sujeita a muitas interpretações! Mas uma só é a certeza: O REI VEM!

Mas que coisa durará este tempo todo? Por tudo aquilo que até hoje temos discernido, durante este tempo acontecerá o fim da Santa Missa, com a introdução na Igreja de uma cerimônia ou culto sem valor para Deus – a ceia protestante, ou infidelidade destruidora. Neste tempo acontecerá também a fuga do Papa – abandono do santuário – e a perseguição e martírio da Igreja – o exército de santos que será calcado aos pés. Tudo isso já está mais ou menos entendido, e sobre tal não restam dúvidas. Ou seja: com a queda dos sacrários, terá início a grande perseguição!

Tudo isso, porém, na prática não tem muito sentido, sem que se estabeleça uma data ou ponto de partida para tais contagens de dias. Nós sempre tempos avisado, desde o ano de 2001, que o Céu nos pede para marcar a data de 11 de setembro daquele ano, como um marco histórico. Ela marcou o início da queda de Babilônia, e nos foi avisado de que aquela seria a primeira torre destruída e que adiante todas as outras também cairiam.

Aliás, o profeta Daniel faz uma alegoria entre um bode e um carneiro, que faz identificar bem as torres gêmeas do WTC – o carneiro – e o bode, que vem em vôo rasante, como está no capítulo 8, 5 Enquanto observava com atenção, eis que um bode robusto veio do ocidente e percorreu a terra inteira sem tocar o solo; tinha entre os dois olhos um chifre muito saliente. 6 Foi até o carneiro de dois chifres, que eu tinha visto em frente ao rio, e avançou contra ele num excesso de fúria. 7 Eu o vi aproximar-se do carneiro e atirando-se com fúria sobre ele, espancá-lo e quebrar-lhe os dois chifres, sem que o carneiro tivesse força para sustentar o assalto. O bode jogou por terra o carneiro e o calcou aos pés, sem que alguém interviesse para subtraí-lo ao ataque de seu adversário.

Isso para nós é indicativo seguro de que devemos ligar a data em que o “bode” – o avião – abateu os “chifres” – as duas torres – do carneiro, que ficavam na beira do “rio” – a Bahia de Manhattan, como uma data marco de tempo. Exatamente como a Mãezinha já nos explicou. Ora, outras pequenas indicações nos fazem ver que não é mera coincidência este fato, e uma delas diz respeito ao saudoso Papa João Paulo II. De outras profecias e profetas sabíamos que este papa estaria no final dos tempos. Entretanto ele morreu e nós ficamos a perguntar: e daí? Daí que realmente ele marcou esta época, pois se nos foi dito que ele estaria no “fim dos tempos”, nada garantiu que ele estaria no final de tudo. Então, se alguém discerniu algo diferente quanto a ele, errou.

Vejam que tanto o profeta Daniel quanto o Apocalipse em 11 e 12, falam de um tempo de três anos e meio – 1290, ou 1335, ou 1260 dias – com diferenças pequenas que não vêm ao caso. O fato é que, se contarmos desde a queda das torres do WTC até a morte de João Paulo II em 03/04/2005 nós teremos 1300 dias certinho. Se contarmos adiante, da morte dele até o dia 13/09/2008, ou seja, o dia inicial das nossas orações da “Escada do Céu”, nós teremos exatos 1260 dias. Ora isso tudo não é por acaso, pois os planos de Deus seguem uma matemática certa. Embora nós nunca a entendamos perfeitamente. Importa saber que todas estas citações devem ter uma ligação. Resta continuar estudando.

Tudo começa quando o anjo diz em Daniel 9, 27 Concluirá com muitos uma sólida aliança por uma semana e no meio da semana fará cessar o sacrifício e a oblação; sobre a asa das abominações virá o devastador, até que a ruína decretada caia sobre o devastado. Quem concluirá esta aliança, e com quem? Certamente aqui falamos do anticristo e da segunda besta do Apocalipse. Estes cardeais e bispos rebeldes, que estão infiltrados na Igreja, mas são inimigos dela, recebem da besta as ordens, e trabalham com toda fúria para acabar com a Missa e a Eucaristia. Este ato levará à quase completa destruição dos sacrários, até porque não será mais celebrada a Missa correta e sim um culto abominável. Mas a ruína cairá sobre todos aqueles que, insanamente, se empenharem na execução deste ato nefando, de sumo desafio a Deus.

Agora observe o que vem citado em Daniel 12, 11 Desde o tempo em que for suprimido o holocausto perpétuo e quando for estabelecida a abominação do devastador, transcorrerão mil duzentos e noventa dias. 12 Feliz é quem esperar e alcançar mil trezentos e trinta e cinco dias! Ora, se Deus nos manda contar os dias é porque fala de dias terrenos, dos que nós vivemos aqui nesta terra, e nada diferente. Nós esperamos efetivamente que aconteça algum ato rebelde, pelos rebeldes do Vaticano – os algozes do Santo Padre o Papa Bento XVI – que marque este início de contagem de tempo.

Vemos então que tudo está ligado ao Mistério da Missa, à Sagrada Eucaristia. E ao mesmo tempo está ligado ao Papa e à Igreja Católica, até porque, contando-se a partir de ontem, os 1260 dias mencionados por São Miguel e citados em Apocalipse 11 e 12, iremos chegar exatamente ao 22/02/2012 que é o dia em que a Igreja celebra a Cátedra de São Pedro, ou seja: o papado! De início esta data de 11 de setembro efetivamente marca um tempo, é um sinal, um ponto de partida. E interessante que, contado dali até o final do ano temos exatos 111 dias, que indica a unicidade de Deus. Tudo é matemática! E peço a quem tiver discernimento melhor, que nos envie.

Agora eu pergunto: qual a matemática que devemos usar para provar ou descartar, que os 1290 dias de Daniel, e os 1260 dias do Apocalipse são ou não são a mesma coisa. Na verdade, penso que embora indiquem mais ou menos o mesmo tempo, com diferença de 30 dias, os dois não são a mesma coisa e sim que o tempo de Daniel indica exatamente passagem da segunda metade da semana de Daniel, que terminou em 10/09/2008, enquanto o do Apocalipse é continuidade daquele. Ou seja, termina um e começa a contar o outro! Mas sem dúvida os dois estão engatados em uma conta global. Se assim for, que indicam estes 30 dias mais 45, para chegar aos 1335? Não será o dia da queda da torre de marfim?

Se não for, resta saber se acontecerá alguma coisa no dia 25 de novembro deste ano. Se algo puder marcar esta data, que o entendamos, estaria explicado o texto. Mas vem aí outra pergunta: Por que será feliz aquele que alcançar os 1335 dias? Ora, estas coisas apenas podem tumultuar nossa diminuta cabecinha, mas é preciso continuar buscando entender para que se frustre a tentativa de alguns de tumultuarem a matemática dos tempos. E vou explicar o motivo.

Nos últimos dias temos visto alguns grupos ou pessoas defendendo apaixonadamente que se até o dia 2 de outubro deste ano o Papa não divulgar a Carta citada nas mensagens ao Cláudio é porque a profecia dele falhou. Ora, em nenhum lugar está citada alguma data. Se a mensagem avisa que “90 dias depois da carta Deus agirá”, não podemos imediatamente supor de que cairá o dilúvio sobre nossa cabeça naquele dia. A mensagem de 2007 dizia que, “no que seguir ao da viagem ao Brasil, Pedro imitirá uma carta que desagradará...”.

Ora temos aqui dois pontos a considerar: 1 – a data em que carta foi escrita! 2 – Aquela onde será publicada, ou divulgada! Pelo que sei trata-se de uma das quatro cartas ou documentos que Bento XVI tem, já escritas, para publicar, mas encontra dificuldade imensa, pois sabe que ela de fato desagradará a milhares de bispos e cardeais, padres e leigos, religiosos e religiosas. Assim, se considerarmos a data em que foi escrita a carta, muito provavelmente em final de abril deste ano, contados 90 dias adiante, chegaríamos ao final de julho, em que “nada de especial aconteceu”. Ou aconteceu? Quem pode então dizer que no plano divino já não se tenha realizado a profecia?

Existe um sentimento de pressa em muitos de nossos amigos e acredito que seja até natural, devido à fragilidade humana. Mas de efetivo, sabemos apenas que ainda neste ano de 2008 cairá a torre de marfim, com a libertação das últimas três grandes almas, e este será um novo marco, penso que efetivamente marco do início da batalha final. Isso já está decretado para um dia e uma data, porque temos a garantia que nenhuma das três se perderá, uma vez que poderiam já ter saído. Já explicamos isso e não voltaremos, embora fique difícil de entender para quem não nos acompanha desde sempre.

Todas estas matemáticas, porém – que continuaremos fazendo na medida em que formos recebendo e entendendo os sinais deste tempo – nos levam a buscar no futuro o verdadeiro e grande momento, o apogeu desta era. Falo do retorno glorioso de Jesus, isso é o que realmente nos deve importar. Tudo o que acontecer na terra até aquele grandioso dia, ficará marcado para sempre como a grande tribulação e estes temos citados, estes dias da matemática de Deus nada mais fazem que por limites no tempo sem cravar datas. E isso já nos deveria ser suficiente, não acham?

Importa saber que quando o Céu diz que tudo é próximo, não devemos entender como se fosse próxima ainda esta vinda gloriosa – que se realizará depois dos 1260 dias – mas sim que estamos perto do início daquilo que as Escrituras definem como a grande tribulação. E isso certamente assusta as pessoas, embora em 366 passagens a Bíblia afirme que não devemos ter medo de nada. De fato, o verdadeiro cristão, se ligado em Deus nunca terá motivo real de temer coisa alguma. Só importa agora a alma, estar em dia com ela é estar no colo de Deus. Quem assim está não teme nem por si nem pelos seus, estejam em que estado de alma estejam eles! Quem confia em Deus e reza de fato, nunca perderá um seu!

Embora sim, não devemos esconder, será terrível como o próprio Jesus afirma em Marcos 13, 23 Ficai de sobreaviso. Eis que vos preveni de tudo. 24 Naqueles dias, depois dessa tribulação, o sol se escurecerá, a lua não dará o seu resplendor; 25 cairão os astros do céu e as forças que estão no céu serão abaladas. 26 Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória. E em Marcos 14, 62 Jesus respondeu: Eu o sou. E vereis o Filho do Homem sentado à direita do poder de Deus, vindo sobre as nuvens do céu.

Mateus 24, 29 Logo após estes dias de tribulação, o sol escurecerá, a lua não terá claridade, cairão do céu as estrelas e as potências dos céus serão abaladas. 30 Então aparecerá no céu o sinal do Filho do Homem. Todas as tribos da terra baterão no peito e verão o Filho do Homem vir sobre as nuvens do céu cercado de glória e de majestade. E em Mateus 26, 64 Jesus respondeu: Sim. Além disso, eu vos declaro que vereis doravante o Filho do Homem sentar-se à direita do Todo-poderoso, e voltar sobre as nuvens do céu.

Ora, quando você lê estas passagens de Jesus, tem a certeza de que algo de muito sério irá acontecer ANTES de Sua chegada. Escurecer o sol e a lua, cair estrelas e abalar todo o universo, são palavras assombrosas, que nos soam mais terríveis do que assistir os próprios filmes já editados pelo homem sobre o Apocalipse. Porque estas palavras contêm o peso da autoridade de Jesus e isso multiplica todos os seus efeitos. A natureza hoje se transtorna em todos os continentes e nenhuma nação da terra deixa aos poucos de sentir e ver os sinais anunciados nas Escrituras.

Um dos grandes sinais acontece entre os povos pagãos e a perseguição exercida sobre os fiéis, como previu Daniel quando disse que o exército dos santos seria esmagado. Coisa que também está anunciada no Apocalipse e nas Cartas de Pedro e Paulo. Isso você nota no dia a dia, a começar por aqui mesmo no Brasil. Todos lembram que desde muito tempo temos anunciado que os bons seriam perseguidos. Que vemos hoje? Catequistas santas sendo expulsas porque querem falar do Amor de Jesus e não do envolvimento com o social. Padres bons sendo esmagados em paróquias consideradas ruins, principalmente com pouco dinheiro. Quem é bom e quer rezar o Rosário é combatido, entretanto pode sim desafiar a Igreja, desobedecer ao papa e negar os milagres de Jesus.

Que é isso senão a perseguição em curso? E perseguição vinda da própria casa! E coisa que irá ficar ainda pior, até chegar o ponto onde certas pessoas julgaram ser um bem matar estes católicos atrasados, que não querem modernizar a Igreja. Eles chegarão ao ponto de achar que são A IGREJA, quando na verdade aliam-se a satanás. Cumprem o projeto e as sugestões dele, não do Papa. Os tempos que chegam, são assim, de grande confusão. E dentro da casa!

Ora, se dentro da própria Igreja se digladiam diferentes correntes, como nos poderemos espantar se lá fora, entre os pagãos recrudesce como nunca a perseguição religiosa? Nós pudemos ver pelos exemplos esparsos que nos chegaram depois da olimpíada, vindos da China Comunista, onde os católicos estão vivendo dias de horror. Quando vi as últimas fotos de crianças e velhinhos diante de uma cruz tosca rezando piamente, e todos ajoelhados – isso em um velho galpão sem cobertura – percebi que somos covardes em estar reclamando, ou com medo, porque lá a coroa do martírio se faz presente como nunca. Eles vivem já um martírio espiritual por excelência!

Também as notícias que nos chegam da Índia são assustadoras. Lá os padres e as freiras estão sendo dizimados, as igrejas e construções são queimadas, porque aquelas pessoas, que adoram as vacas, os macacos, os ratos e sapos botaram na cabeça que é crime tentar converter-se um cristão. E se alguém deles tentar é sumariamente assassinado. Sinal de que são uma raça rebelde, um povo sem cura e sem alma, pois um Deus de verdade, para ser Deus deve pregar necessariamente o Amor, somente o Amor. Fora disso é demônio!

Assusta, por isso, ler passagens como esta de Jesus ao Padre Otávio Micheline quando diz: A medida está cheia. O mundo e a minha própria Igreja atingiram um nível tal de perversão moral e espiritual que já não pode ser tolerado pela justiça divina. Esta justiça divina, já em marcha, manifestar-se-á cada vez mais, deixando o mundo e a Igreja entregues a si mesmos.

E sem a assistência divina serão ainda mais tiranizados pelas hordas obscuras e maléficas saídas do Inferno que, não encontrando obstáculo por parte do Todo-Poderoso, descarregarão o seu pérfido e inumano sadismo sobre toda a Terra e sobre todas as criaturas. Ver-se-á multiplicar os atentados contra a Igreja, a profanação de pessoas e objetos sagrados, que muitas vezes chegais a interrogar-vos como é possível atingir tais excessos.

Vejam a dureza da palavra de Jesus: a minha Igreja atingiu um nível de perversidade moral e espiritual... Na verdade, o mundo está chegando a esta perversidade brutal, exatamente devido à perversidade moral e espiritual que há dentro da Igreja Católica. Porque a nossa Igreja é o termômetro espiritual da humanidade. Se ela vai bem o mundo vai bem. Isso quer dizer que o mundo desaba, porque nossa Igreja desabou. Sem nela já não existe força espiritual capaz de deter o avanço do mal. Tanto que Jesus afirma nesta mensagem, que a Igreja e o mundo serão entregues à própria sorte, e outras profecias, nos advertem que isso se dará sim, por um tempo.

Quanto tempo? Certamente os 1260 que começamos a viver. Qualquer um observa que esta perseguição começou. Mas não se iludam, porque os demônios agem com fúria por trás dos bastidores, e logo a mesma perseguição que hoje acontece na China e na Índia chegará aqui. E será empreendida por gente daqui. Por pessoas totalmente dominadas pelo espírito da mentira, especialmente daqueles que agora não querem ouvir. Este mesmo espírito cego e louco, que levou os anjos caídos à perdição eterna. Trata-se deste espírito de torpor, que veda olhos, ouvidos e corações. Que embrutece as almas!

Devemos compreender que toda a grande, de fato, a verdadeira e maior batalha que hoje se desenrola na terra é a nível dos espíritos. Trata-se de forças espirituais que se embatem numa guerra invisível, onde o que conta não é a força nem o poder dos exércitos – falo de força física ou militar – mas sim força espiritual, dos que estão ao lado de Deus e dos que estão contra Ele. Este crescendo do mal acontece exatamente porque as forças que deveriam estar a lado de Deus se bandeiam para a fortaleza inimiga, seguindo esta falsa igreja, esta teologia morta, este falso reino humano, cujo fim é a perdição das almas.

Nós, do Movimento Salvai Almas já sabemos que esta apostasia haverá de levar por um tempo a 2/3 de nossos amigos de hoje, ou por medo, ou por confusão, ou por pressão. E ninguém de nós está livre disso, não se duvide! Acredito que quando o Cláudio for obrigado a divulgar os 16 segredos, as linhas vermelhas e as últimas mensagens, nós provavelmente iniciaremos um período de retração, onde a maioria estará fora. Sabemos também que depois eles voltarão, porque não duvidamos de que o Movimento em si vai cumprir até o fim a missão que Deus lhe confiou.

Você mesmo, leitor, poderá ir percebendo, em sua paróquia, no seu pároco, nos padres em geral e nos nossos bispos, que o espírito de corpo – e mau espírito – acabará por fazer cair milhares deles. E já caem, na medida em que aceitam do diabo o convite de em tudo desobedecerem ao Santo Padre. Este é um sinal de apostasia, que deverá se aprofundar com uma das próximas cartas do Papa. Mas Pedro vencerá, sem dúvida alguma, e cairão todos os que estiverem contra ele, aderindo à rebelião.

Assim, o tempo corre célere. Não nos é possível ainda dizer a que tempo dentro destes 1260 dias em curso se dará a saída do Papa, sabemos apenas que quando isso ocorrer, o mundo estará insuportável, indo para sempre pior. Mas por hora não olhemos para aquilo que virá adiante, e sim para o que falta fazer ainda. Milhares são os cegos que precisam ser levados a ver. Milhares os surdos que precisam voltar a ouvir. Milhares os corações embrutecidos, que precisam ser substituídos por um coração de carne. Sabemos que isso acontecerá, embora no fim estejam vivos poucos homens; aqueles que não se fecharam de todo para a graça.

Então você, mãe, você pai cujo filho não se converte: não forcem a barra! Não atormentem mais querendo fazê-los mudar à força. Falem apenas, sejam exemplos de vida e fé, e acima de tudo rezem por eles. A conversão virá, e nenhum deles se irá perder. Para isso você que acompanha o Movimento tem a prova dos números de perdidos. Somente os grandes celerados e os adoradores contumazes do demônio se perdem. E certamente, um pai, uma mãe, que participa conosco da mesma causa, não tem um filho assim. Deus jamais iria permitir que isso acontecesse. A conversão de TODOS virá.

Bem, para finalizar é isso o que importa. Só isso importa agora! Sabemos que Deus irá em breve mudar o mundo, e é como a Mãe disse na última mensagem: faltam apenas 1257 dias para o AMOR. Penso que, quem tiver passado desta data, estará vivendo já um novo mundo, e belo mundo novo, criado por Deus para Seus filhos. Para aqueles que lutarem e vencerem. Para os que forem fiéis até o fim. Eis porque a oração é tão importante agora, para formar aquele escudo invisível – mas extremamente protetor – de almas e de anjos, que nos cobrirão quando a última tempestade vier.

Que ninguém tenha medo! Não podemos nos preparar bem para a chegada do Rei, com medos, tristezas, desesperos e falta de fé. O Amor deve ser recebido com a firme esperança o coração feliz na certeza do Reino Eterno. Tudo passa, e a tribulação também passará. Para os filhos como um sopro! Para os filhos das trevas, uma eternidade! (Aarão)

Artigo-Reino da Mentira!

REINO DA MENTIRA

2050916 REINO DA MENTIRA

Está em Isaías 5, 20 Ai daqueles que ao mal chamam bem, e ao bem, mal, que mudam as trevas em luz e a luz em trevas, que tornam doce o que é amargo, e amargo o que é doce!

Está em Isaías 9, 9 Porque este é um povo rebelde, são filhos mentirosos, filhos que se recusam a ouvir as instruções do Senhor.

Está em Oséias 12, 1 Efraim cerca-me de mentira, e a casa de Israel de hipocrisia; Judá é um testemunho traidor de Deus... 2 Efraim.... multiplica dia a dia a mentira e a violência; e em 7, 2 Não é com sinceridade que dizem que me lembro de todas as suas maldades. Agora suas más obras os envolvem, e eu os tenho diante de meus olhos. 3 Alegram o rei com suas maldades, e os príncipes com suas mentiras.

Jeremias 9, 3 Que se mantenha em guarda cada um de vós contra o amigo. Nem mesmo do irmão vos deveis fiar, pois que todo irmão procura suplantar, e todo amigo calunia. 4 Zombam do próximo todos eles; ninguém diz a verdade. Exercitam a língua na mentira, aplicam-se a fazer o mal. 5 Habitam no seio da falsidade; por má fé recusam conhecer-me - oráculo do Senhor. Vejam: eis o tempo em que nem nos irmãos podemos nos fiar! Até eles mentem!

Está em 1ª João 4, 3.. todo espírito que não proclama Jesus esse não é de Deus, mas é o espírito do Anticristo de cuja vinda tendes ouvido, e já está agora no mundo. 4 Vós, filhinhos, sois de Deus, e os vencestes, porque o que está em vós é maior do que aquele que está no mundo. 5 Eles são do mundo. É por isto que falam segundo o mundo, e o mundo os ouve. 6 Nós, porém, somos de Deus. Quem conhece a Deus, ouve-nos; quem não é de Deus, não nos ouve. É nisto que conhecemos o Espírito da Verdade e o espírito do erro.

Está em 2º tessalonicenses 2, 9 A manifestação do ímpio será acompanhada, graças ao poder de Satanás, de toda a sorte de portentos, sinais e prodígios enganadores. 10 Ele usará de todas as seduções do mal com aqueles que se perdem, por não terem cultivado o amor à verdade que os teria podido salvar. 11 Por isso, Deus lhes enviará um poder que os enganará e os induzirá a acreditar no erro. 12 Desse modo, serão julgados e condenados todos os que não deram crédito à verdade, mas consentiram no mal.

Depois de dar uma passada na Bíblia percebi que nela se encontra mais de 200 passagens onde é mencionado algo a respeito de mentir, mentira, mentiroso, falso, falsidade, engano, logro. Mas se formos colocar cada verbete associado a alguma derivada ou afim da palavra mentira, certamente passa de mil alertas e constatações. O que deve nos levar a uma profunda reflexão diante deste mal que, embora já presente nos tempos antigos e desde o Gênesis, jamais, como hoje em dia, se alastra, e ameaça afogar toda a humanidade num mar de mentiras. Sinal claro da presença e da atuação do maligno!

Desde criança nós aprendemos que satanás é o pai da mentira. Não só por ser o criador da primeira mentira, a que enganou Eva, mas porque continua mentindo e mentindo, pois lhe é impossível falar a verdade, por si só. De fato o demônio é a antítese do bem, e sua natureza pervertida simplesmente não consegue fazer nada mais que o mal. Assim, tudo o que é mentira, é mentiroso, enganador, escuso, escondido, furtivo, disfarçado, falso e dissimulado, vem dele, é dele, e cai na lábia dele quem pratica algo neste sentido.

Ora, nós vivemos no mundo de hoje, o reino da mentira. Na realidade montou-se ao nosso redor uma gigantesca farsa, uma imensa cadeia de distorções e deformações, de modo a enredar os povos e reduzir a humanidade a um ninho de víboras, porque já mais parecem filhos da serpente. Eu de fato mal consigo selecionar um primeiro sentido para mostrar isso, porque em tudo o que hoje se toca, se consome e usa há sempre um quê de engano e mentira. Isso vai desde os produtos alimentícios, até os medicamentos. Vai desde as seitas que são uma farsa evangélica até a Igreja Católica, que em alguns casos já se faz uma seita.

Começa pela propaganda mentirosa e acaba nos produtos falsificados. Todos mentem: tudo é fraude, logro, hipocrisia, infidelidade, traição, fingimento, e tantos outros destes indicativos da presença do diabo. Dizem que é para o nosso bem, mas no fundo é para o bem do bolso deles. Nos alimentos você consome sem saber uma enormidade de aditivos perniciosos, que fazem mal ao organismo e causam inúmeras doenças – porque não metabolizados – e isso sem que uma só pessoa se dê conta que ingere partículas de morte todos os dias.

Nada disso foi comprovado por décadas de estudo, antes de ser colocado no mercado. Então você acaba mesmo tomando coca-cola, que é fórmula de detergente, como “refrigerante”. Mentem os fabricantes e mentem as autoridades! E mentem para si, as pessoas que sabem que faz mal, mas continuam consumindo este produto. O que de certa forma é um pecado contra o quinto mandamento: não matar! E assim acontece com quem bebe demais, come demais e comete contra si mesmo todos os excessos. No fundo ele mente para si mesmo!

Ou seja: vamos engolindo veneno com adoçante!... Que também é veneno! Compre um frango congelado no mercado, seque o gelo, limpe para fritar e terá em mãos 600 gramas. Dezenas de vezes a Bíblia fala em pesos e medidas fraudulentos, Deus abomina isso. E assim cada prateleira de supermercado é um depósito de mentiras alimentícias. Tudo isso gera contaminações, doenças como o câncer, e outros malefícios para a população que as consome. Calar-se sobre isso é mentir ao povo! E assim desde as indústrias até o mercado, verte uma cadeia de enganações, logros e ludíbrios, tudo sob os aplausos e as “bênçãos” do maldito. Que é mentiroso desde o princípio!

Tudo aquilo que você é levado a consumir hoje é voltado para uma cultura de morte. Em nome do progresso! Da modernidade! Na moda, você veste o escândalo, e é tal a deformação das mentes que se chega ao absurdo de um homem cuja mulher não esteja se insinuando com roupa indecente, sente-se mal. Tem vergonha de sair com ela assim. Quando deveria ser o contrário! Deveria respeitá-la como templo do Espírito Santo, vestindo-a santamente. Ele idem! Sem ter vergonha do que ela veste, pois com serenidade e pureza de alma. Depois acontecem milhões de adultérios, e dirão que é normal. Quando é um pavoroso mal. Ele mente para si mesmo, e mente quem diz o contrário! Como também mente a mulher que acha que sua moda indecente é inocente, que não provoca os outros homens. Quando intrinsecamente pratica uma espécie de adultério.

Começa isso desde criança, quando a inocência – feminina em especial – é vestida desde cedo para atrair olhares sobre o corpo, e então se espantam quando explode a pedofilia, o homossexualismo, a prostituição, o adultério e todo tipo de abominação sexual. Porque ensinam desde cedo! Os pais ensinam, ou deixam que o mundo os instrua! Mente a mãe que não acha mal nisso! Mentem o pai que nada faz para defender a alma de sua filha. Mentira que isso é bom e bonito! Mentira que é normal, porque é anormal! Mentira que é moderno, porque vem do inferno. Por que todo mundo usa, não quer dizer que Deus concorda! E aqui Ele discorda!

Toda a humanidade de hoje consome sexo como o ar que respira, e não teme que isso intoxique as almas, perverta os sentidos e afunde os corações neste mar de lama. Será tido como um anormal o sujeito que se revolta contra isso! Quando clama aos céus. Você não vende um pacote de macarrão sem propaganda de mulher semi vestida, mas bebe cerveja “da boa”, porque uma mulher seminua se insinua. Quando quem bebe demais nunca chega perto de uma “boa”... A não ser que ela se atoa... Destas que satanás aprova, e você entende! Mentira então!

No ensino dizem que as crianças devem aprender, e devem ler e se instruir e se formar, para poderem enfrentar a vida. Ora o primeiro fundo maligno disso tudo é que o sentido principal é sobressair-se, é saber mais, ser mais do que os outros. Mentira que isso é bom aprendizado! O segundo é que tudo bem é bom ler, mas ler o que? A imundícia que se oferece nas bibliotecas? A louvação do inútil, o aprendizado do alienante, o romance fantasioso, o consumo do absurdo, do que é torto e de tudo aquilo que produza esta decrepitude mental e deformadora de hoje. Em suma: consumo de mentira! Desta forma, 90% dos que os nossos filhos aprendem na escola é intrinsecamente mentira. Para não aprenderem o que é bom, o que é útil para a vida, que os levem à verdadeira felicidade. Ou seja: não terem tempo de aprender a verdade! Mas aprendem a mentira!

Dizem que devemos preservar a arte, e que arte é cultura. Na verdade existe uma arte que é santa, boa e de origem divina: esta arte é aquela que busca imitar a perfeição daquilo que já existe e foi criado por Deus. Tudo o mais, tudo aquilo que mostra o horrendo, o decrépito, o asqueroso, o repugnante, o deformado, o tortuoso é feito tendo como modelo o inferno, e, portanto vem do mentiroso. É “arte” dele! E a humanidade engole todo este veneno narcotizante, e vai aos poucos amortecendo em seu cérebro o sentido da verdadeira perfeição, aquela que faz bem, que não causa repulsa, nem deforma as mentes. Mentira que isso é cultura, e mentira que isso é necessário para qualquer pessoa.

Estamos agora em meio a uma virulenta campanha política, em meio a qual certamente satanás reina, porque é tempo de mentira, da promessa falsa, da oferta maldita que compra consciências, de conluios, conchavos e maracutáias, que têm gerado esta verdadeira e hedionda máquina de eleger corruptos. Todo o sistema eleitoral é viciado, - portanto mentiroso – e não duvido que a máquina de votar seja também. Nos últimos dias o próprio fabricante disse que a máquina não é confiável, porque em síntese todo o sistema informatizado é reprogramável, e, portanto viciado e vicioso. E mentiroso!

Falando em informática a humanidade deita e rola cada vez mais emaranhada a imensa teia da web, na internet, que é certamente a mais escancarada de todas as arapucas. Mentira que isso é para nosso bem. Quando em 1996 tomei contato com ela, percebi logo que era tudo aberto, sem sigilo e mais que isso, caminho de manipuladores atentos, ferozmente voltados para o mercado de consumo, que assim podem estudar tendências e manipular consciências. Para terem uma idéia o Google executa mais de 300 milhões de buscas a cada dia. Ora se ele acha em 13 segundos mais de um milhão de artigos sobre o assunto, como achar que ali dentro tem algo de sigiloso? Mentira então que é seguro e sigiloso! Mentira que é para o nosso bem, pois podem usar tudo a seu favor!

Você vai numa loja ou banco e preenche seu cadastro, então lhe dizem isso é sigiloso. Mentira! Tudo aquilo vai depois povoar s computadores da besta, que no fim sabe quem você é, seus dados pessoais, seus gostos e preferências, principalmente sua religião. O que ela quer saber é se você pertence a Deus, se acredita Nele. Para depois te esmagar, no tempo em que só ela comandar a terra. Ela quer é te fazer adorar os ídolos do mundo – em especial Lúcifer – como faziam no antigo império romano. A besta não quer seu dinheiro e sim a posse de sua alma. Ela sempre mente!

O tempo agora é o das seduções do mal, como nos alertou São Paulo. Tempo da presença do anticristo já no mundo. Toda esta avalanche assombrosa de mentiras é o sinal mais claro que se pode ter de que o “filho de satanás”, já está vivo e ativo no mundo. E por ser filho da peste, sabemos por muitas profecias de que quando ele estivesse no mundo, a humanidade aos poucos chegaria a um nível de maldade jamais visto. Mentira é uma espécie de maldade. Aliás, sem este espírito de maldade, sem estas seduções do mal, sem tanta mentira neste mundo atual, sem esta selvageria coletiva dos povos, seria impossível que ele se materializasse.

Como já disse outras vezes: se os homens fossem bons, se falassem e seguissem apenas à verdade, no caso de um homem mau como o anticristo vir à vida, ele seria trancafiado a ferros, como monstro perigoso. Assim está solto e age! O mundo o quer! O mundo da mentira o deseja! O homem mentiroso o cultura! O mundo da mentira o enseja, com seu comportamento abominável, nefando! Olhem os homens já se comendo uns ao outros. Olhem as mortes violentas, os crimes mais pavorosos jamais vistos, tudo isso explodindo diante de nossos olhos! Sinal visível da presença de filho do senhor das trevas em nosso meio. Filho, sim, adotivo, mas nefando!

Mentira no mundo, mentira nas famílias. Os filhos mentem aos pais que vão aqui quando estão lá. Os pais mentem aos filhos, os professores aos alunos, e os políticos a todos nós. E como não poderia ser diferente, também na Igreja campeia a mentira, pois de tanto mentir teologicamente já inventaram esta falsa igreja sem Cristo, este simulacro feito pelo homem. Voltado para este mundo... De mentira! Porque que igreja mentirosa, que agrada apenas ao mentiroso!

Como diz Jeremias em 8, 10 .... Desde o profeta até o sacerdote, praticam todos a mentira. 11 Tratam sem cuidado da ferida da filha do meu povo, e dizem: Vai tudo bem! Vai tudo bem! quando vai tudo mal. 12 Pelo seu proceder abominável serão confundidos, mas nem ao menos conhecem a vergonha, e nem o que seja enrubescer.

Enquanto isso está em Isaias 57, 1 ...o justo perece sem que ninguém se aperceba; as pessoas de bem são arrebatadas e ninguém se importa; 2 por causa do mal, o justo é arrebatado para entrar na paz... 3 E vós, aproximai-vos, filhos da feiticeira, descendência da mulher adúltera e devassa! 4 De quem vos escarneceis? A quem fazeis caretas e mostrais a língua? Não sois filhos do pecado, raça bastarda? 5 Vós vos abrasais sob os arvoredos de terebintos e sob qualquer árvore verde; vós imolais crianças no leito das torrentes e nas cavernas dos rochedos.

Imolar crianças? Quantos bilhões de abortos nós já cometemos? Mentem dizendo que feto não é vida! E os que amam a mentira acreditam! E fazem leis torpes para matar bebês! Dizem que é saúde pública, quando é morte dos povos! Mentem dizendo que o uso das células tronco embrionárias visa curar doenças, quando querem apenas destruir os embriões já congelados, porque custa caro mantê-los para sempre. Mentem dizendo que visam com isso conservar a vida, quando estão de fato criando monstros horripilantes nos laboratórios. Mentem depois dizendo que a Igreja é contra o ensino e o progresso da ciência, quando somos ainda a maior entidade de ensino no mundo. Embora tais erros tenham entrado também nas nossas Universidades, e de fato tornaram-se uma farsa, pois do ensino atual vem a mentira!

Mentem dizendo que não foi Deus quem criou o mundo, mas o acaso. Mentem dizendo que o homem veio do macaco, quando a evolução é uma farsa. Mentem dizendo que são estudos sobre a origem da vida, quando querem provas de que não precisam de Deus. Mentem dizendo que vão provocar o Bigbang, quando querem mesmo provar que podem criar a matéria a partir do nada. Mentem dizendo que procuram vida inteligente fora do planeta, quando querem mesmo é achar um mundo para lá se refugiarem quando tiverem daqui exaurido toda a vida. Mentem dizendo que a humanidade precisa conquistar o espaço sideral, quando ela nem conquistou o quintal de sua casa. Mentem dizendo que é para o bem da humanidade, quando é para sua destruição e ruína das almas.

Neste sentido, ontem me enviaram um email onde se podia assistir a um vídeo falando que nos próximo dia 16 de outubro veremos nos céus uma nave extraterrestre que vem com “sentimentos de amor e paz” nos mostrar uma civilização avançada. Todos sabemos que estes efeitos são provocados pelo demônio, e se alguém ver algo assim será por efeito maléfico deles. Mentem, porque jamais virão com “amor” como dizem, porém com ódio mortal. Acaso não seria este um sinal e um prodígio enganador como alerta São Paulo? E nos últimos têm mesmo aumentado as reportagens neste sentido.

Parece absurdo, mas no mesmo sentido, nesta manhã um sacerdote, de algum país distante, me escreveu pedindo para ajudar a um jovem, que passou de repente a curar pessoas, se dizendo instruído por seres de outros mundos. O jovem inclusive revelou coisas ocultas sobre a vida do padre, que o deixaram preocupado. Isso é sinônimo de possessão diabólica. Ele tem no corpo uma legião. Pois quando me disse que os tais seres haviam pedido que o jovem se suicidasse, não precisei mais de nada para lhe dizer sobre “quem” estava por trás destas curas. Falsas curas! Mais um ardil do mentiroso!

Mentiras que também se alastram dentro da nossa Igreja, onde se mente mais do que nunca. Mentem quando negam o pecado, o Purgatório e o castigo para os mentirosos e os falsos teólogos. Mentem quando negam os dogmas e os milagres de Jesus Cristo. Mentem quando negam a presença real de Cristo na Eucaristia, e metem quando dizem que a Missa é simples ceia, quando é rememoração incruenta do Sacrifício da Cruz.

Mentem dizendo que o Papa mandou tirar as imagens de culto, e mentem quando botam o sacrário em cantos escondidos ou fora da Igreja. Mentem quando dizem que o Papa autoriza este falso ecumenismo vendido de hoje e mentem quando dizem que todas as religiões têm partes da verdade e salvam almas. Mentem quando tiram os confessionários e os genuflexórios das capelas alegando modernidade, e mentem quando dizem que se deve obedecer ao bispo e não a papa. Quando muitos não obedecem nem um nem outro.

Toda mentira, pequena ou grande, sempre é linguagem de satanás. Hoje chegamos ao tempo em que as pessoas amam a mentira e detestam tudo aquilo que é verdadeiro. Tudo aquilo que os faz mudar de vida, que exige esforço e conversão é abominado pela maioria das pessoas, que vivem fantasias, portanto a mentira. Bem como está em Isaías 30, 9 Porque este é um povo rebelde, são filhos mentirosos, filhos que se recusam a ouvir as instruções do Senhor. 10 E dizem aos videntes: Não vejais, e aos profetas: Não nos anuncieis a verdade, dizei-nos coisas agradáveis, profetizai-nos fantasias. Querem por exemplo, que lhes mintamos dizendo que o Juiz vai tardar, ou que nunca virá!

Então caem como moscas, sem se darem conta de que devagar, mas sempre, o inimigo os faz enredar-se em sua teia gigantesca. Vão atrás das conversas “agradáveis” e das “fantasias”, preferindo isso à busca da verdade, que somente se encontra em Deus. Eis então fogem Dele. E verdade é que com isso o mundo inteiro afunda neste lodaçal putrefato, onde ao vício sucede o crime numa verdadeira cultura do mal e da morte. Somente isso faz vedar de tal forma os olhos e os ouvidos das multidões de modo a não mais perceberem que tudo vai mal, e vai de mal a pior. Que não terá melhora sem uma intervenção final de Deus!

Não, eu não exagero nos termos: somente um mundo de mentira será capaz de absorver a tirania do filho de satanás, que vem, e vem antes de Jesus! Vem mentindo que ele é o verdadeiro Messias! Mentindo que vem salvar a humanidade! Mentindo que é para nosso bem, que vem com amor, todo disfarçado, enganoso. Seu real desejo é matar a muitos. É escravizar os outros! E todos os que apreciam a mentira hão de dizer “quem é semelhante a fera, quem pode com ela?”, como já está predito no livro do Apocalipse, capítulo 13. Também está dito: Hão de adorá-la os habitantes da terra! Sim aqueles que amam a mentira! Não os que seguem fielmente os mandamentos de Deus. Não os filhos, mas os bastardos! Filho de Deus foge da mentira, e, portanto é livrado das garras de satanás.

Enfim, hoje a mentira tece como que um véu negro que ameaça sufocar a humanidade. Nos tempos de Sodoma, também eles achavam que o homossexualismo era um bem, que pecado não havia, até que desceu fogo dos céus sobre eles todos. E acontecerá novamente a mesma coisa, porque hoje excedemos Sodoma em maldade. O mundo se prostitui com satanás, que faz crer aos homens que tudo isso é normal e aceitável. Veremos! Não demora e veremos novamente o fogo descendo do céu, sobre cidades inteiras! E cairá exatamente onde mora a mentira!

Então, tanto a mentira quanto o pai dela, o mentiroso primeiro e maior, serão para e enfim extirpados da face da terra. O Reino que vem depois será o reino da verdade, onde nunca mais a mentira terá vez. As almas verão fundo, umas nas outras o espelho do amor, e nunca mais serão tentadas a mentir, até porque tudo será aberto e visível. Quando isso acontecer, o mundo florescerá para a Vida. A verdadeira vida em Deus.

Onde habita a mentira, Deus está longe! E parece estar cada vez mais longe deste mundo mau. Falemos então da verdade, e a verdade é Jesus vem! Como Juiz! E não tarda!

Aarão

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Dom BOSCO, intercedei pela Santa Igreja!

VISÂO DE BOSCO ( Magnífico)

Os dois pilares que sustentam a Igreja:
João Bosco, filho de Francisco Bosco e de Margarida Occhiena, nasceu no dia 16 de agosto de 1815, em Becchi, minúsculo grupo de casas da pequena localidade de Murialdo, pertencente a Vila de Castelnuovo d'Asti (atualmente chamado Castelnuovo Dom Bosco), na região de Alto Monferrato, na Itália Setentrional. Desde criança manifestou o desejo de tornar-se padre. Em 25 de outubro de 1835, João recebe o hábito talal no Seminário de Chieri, e em 5 de junho de 1841, a ordenação sacerdotal. Veio a falecer em 31 de janeiro de 1888, aos 72 anos. A pedido do Papa Pio IX, São João Bosco registrou sua vida, suas obras, e as revelações recebidas, em seis cadernos, com o título de Memórias do Oratório de 1835 a 1885.




Revelações sobrenaturais

Desde os nove anos, o santo teve contatos maravilhosos com o mundo sobrenatural.

Ele via o que é oculto para o resto dos homens, o mistério dos corações, os segredos das consciências, os pensamentos mais íntimos, e até o futuro das crianças e o fim de suas vidas.

Além disso, páginas inteiras de história, o caminho dos acontecimentos futuros, tudo isso ele lia com uma lucidez maravilhosa, com uma clarividência rara.

O Sonho das duas colunas e o navio

Dom Bosco teve o sonho descrito abaixo em 1862, portanto antes da realização do Concílio Vaticano I, em 1870.
Damos aqui a versão do sonho tal qual se acha na famosa obra de Lemoyne: Memórias Autobiográficas de Dom Bosco, vol VII, pp.169 a 171.
Dom Bosco, no dia 26 de maio, havia prometido aos jovens que lhes contaria alguma coisa bonita no último ou no penúltimo dia do mês.

No dia 30 de maio, pois, contou, à noite, uma parábola ou semelhança, como ele quis chamá-la.

Quero contar-lhes um sonho. É verdade que quem sonha não raciocina, todavia, eu, que lhes contaria até mesmo os meus pecados, se não tivesse medo de fazer que vocês todos fugissem e fazer cair a casa, lhes conto isso para utilidade espiritual de vocês.

O sonho, eu o tive há alguns dias.

Imaginem vocês estarem comigo numa praia do mar, ou antes, sobre um escolho isolado, e de não ver outro espaço de terra a não ser aquele que lhes está sob os pés.

Em toda aquela vasta superfície das águas se via uma multidão inumerável de navios em ordem de batalha, cujas proas eram terminadas por um agudo esporão de ferro em forma de lança, que, onde era dirigido, feria e traspassava qualquer coisa.

Estes navios estavam armados com canhões, carregados com fuzis e armas de todo gênero, com matérias incendiárias, e também com livros, e avançavam contra um navio muito maior e mais alto que todos eles.
Por meio do esporão, tentam chocar-se com ele, incendiá-lo, ou ao menos causar-lhe todo o dano possível.

Aquela nave majestosa, ricamente adornada, era escoltada por muitas navezinhas que recebiam dela os sinais de comando e executavam manobras para se defender das frotas adversárias.

O vento lhes era desfavorável e o mar agitado parecia favorecer os inimigos.

No meio da imensa extensão do mar elevavam-se acima das ondas duas robustas colunas, altíssimas, pouco distantes uma da outra. Sobre uma delas havia a estátua da Virgem Imaculada, em cujos pés pendia um longo cartaz com esta inscrição: Auxilium Christianorum (Auxílio dos Cristãos).

Sobre a outra, que era muito mais alta e mais grossa, havia uma Hóstia de grandeza proporcional à coluna, e debaixo um outro cartaz com as palavras: Salus Credentium (Salvação dos que crêem).


O Pontífice Romano, comandante supremo da grande nau, vendo o furor dos inimigos e a má situação em que se achavam as suas fiéis navezinha, decide reunir junto de si os pilotos dos navios auxiliares, para acordarem sobre o que se deveria fazer.

Todos os pilotos sobem e se reúnem em torno do Papa. Mantêm uma reunião, mas, enfurecendo-se cada vez mais o vento e a tempestade, eles são mandados de volta para dirigir seus próprios navios.
Ocorrendo um pouco de calmaria, o Papa reúne pela segunda vez em torno de si todos os pilotos, enquanto a nau capitania segue o seu curso. Mas a borrasca volta espantosa.

O Papa permanece no timão, e todos os seus esforços são dirigidos a levar a nau para o meio daquelas duas colunas, de cujo cimo pendem, em toda a volta delas, muitas âncoras e grossos ganchos presos a correntes.

Os navios inimigos manobram para assaltá-la, e empregam todos os meios possíveis para detê-la e fazê-la afundar, algumas com livros e escritos; outras procurando lançar a bordo as matérias incendiárias de que estão cheias; outras com os canhões, com os fuzis, e com os esporões.

O combate se torna cada vez mais encarniçado. As proas inimigas se chocam violentamente com o navio do Pontífice, mas seus esforços e seu ímpeto se revelam inúteis.

Em vão repetem o ataque e esgotam seu poder e munições.

A grande nau prossegue segura e ilesa seu caminho. Ocorre por vezes que os golpes formidáveis descarregados em seus flancos abrem largas e profundas brechas, mas em seguida sopra um vento e as brechas se fecham e os furos se obstruem.

E explodem os canhões dos assaltantes, despedaçam-se os fuzis, e todas as outras armas e os esporões; são destruídos muitos navios que se afundam no mar.

Então, os inimigos, furibundos, começam a combater com armas brancas; e com as mãos, com os punhos, com blasfêmias e com maldições.

Eis que o Papa, ferido gravemente, cai.

Os que estão junto a ele correm a ajudá-lo e o levantam, mas o Papa é ferido pela segunda vez, cai de novo e morre.

Um grito de alegria e de vitória ressoa entre os inimigos; sobre os seus navios se dá um louco frenesi.

Mas tão logo morto o Pontífice, um outro Papa o substitui em seu posto.
Os pilotos reunidos o elegeram tão subitamente que a notícia da morte do Papa chegou com a notícia da eleição do sucessor.

Os adversários começam a perder o ânimo.

O novo Papa dispersa e supera todos os obstáculos e guia o navio até as duas colunas.

Chegando junto a elas, o ata com uma corrente que pendia da proa a uma âncora da coluna sobre a qual estava a Hóstia; e com uma outra corrente que pendia da popa o ata a uma outra âncora, que pendia da coluna sobre a qual estava colocada a Virgem Imaculada.

Então, aconteceu uma grande reviravolta.

Todos os navios, que até aquele momento tinham combatido a nau do Papa, fogem, se dispersam, se chocam entre si e se despedaçam. Uns naufragam e arrastam a outros.

Muitas navezinhas que tinham combatido valorosamente com o Papa se aproximam das duas colunas atando-se a elas com correntes. Muitas outras naus que por temor tinham se afastado e se encontravam a grande distância ficam prudentemente observando, até que, desaparecidos nos abismos do mar os restos de todos os navios destroçados, com grande vigor vogam em direção daquelas duas colunas, onde, chegando, se prendem aos ganchos pendentes das mesmas colunas, e aí ficam tranqüilas e seguras, junto com a nau principal, sobre a qual está o Papa. No mar se produz uma grande calma.

Dom Bosco, neste ponto, interrogou Dom Rua: Que pensa você deste relato?
Dom Rua respondeu: Parece-me que a nau do Papa seja a Igreja, da qual ele é o chefe: os navios, os homens, o mar são este mundo.

Aqueles que defendem o grande navio são os bons afeiçoados à Santa Sé, os outros são os seus inimigos que com toda sorte de armas tentam aniquilá-la. As duas colunas de salvação me parece que sejam a devoção a Maria Santíssima e ao Santíssimo Sacramento da Eucaristia.

Dom Rua não disse nada sobre o Papa caído e morto, e Dom Bosco calou-se também sobre isso.

Somente acrescentou: Disseste bem. É preciso somente corrigir uma expressão: as naus dos inimigos são as perseguições [à Igreja].
Preparam-se gravíssimos sofrimentos para a Igreja.

O que até agora aconteceu é quase nada comparado com aquilo que deve acontecer.

Os seus inimigos são figurados pelos navios, que a tentam afundar, se pudessem, a nau capitania.

Só restam dois meios para salvar-se entre tanta confusão: a devoção a Maria Santíssima e a freqüência à Comunhão.

Todos devemos nos empenhar em os empregarmos e fazer com que sejam empregados em toda parte, e por todos.

OBS. Esta visão tem a ver certamente com os últimos quatro papas conforme a profecia de São Malaquias. O Papa João Paulo 1 que foi assassinado, o Papa João Paulo II que foi ferido, e o Papa Bento XVI, que foi eleito as pressas, não dando tempo de o inimigo reagir. Depois dele o último Pedro, que aportará a nau da Igreja católica, a ÚNICA IGREJA no ÚNICO PORTO seguro.

Nada precisamos temer, as outras todas, seitas ou religiões, desaparecerão da face da terra. Quando tudo terminar, a única entidade do mundo que estará de pé e a Igreja de Jesus, a que está firmada na rocha de Pedro, e tem Pedro no leme. Esta nau é a única que tem Jesus como Comandante. As outras todas, tem comandantes humanos e o Santo viu bem o que acontecerá com todas elas, sem excessão.
+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Vários foram os sonhos proféticos de Dom Bosco, que por diversas vezes previu a morte de personalidades. Em um destes sonhos proféticos, ainda bem jovem, Dom Bosco se via fazendo um dever de latim; ao acordar escreveu o mesmo e pediu a ajuda de um padre para traduzi-lo. Na aula seguinte este texto foi ditado, e Dom Bosco obteve ótimo desempenho. Sobre este dom, afirmava o próprio santo: - “Embora a bondade de Deus tenha sido generosa para comigo, jamais pretendi conhecer ou realizar coisas sobrenaturais”.

Uma de suas profecias é a dos plenilúnios. Diz a profecia:

“Quatrocentos dias após o mês das flores que terá duas luas cheias, a revolução será proclamada na Itália. Duzentos dias depois, o Papa será obrigado a deixar Roma e andará errante durante cem dias, depois do que regressará à sua capital e cantará em São Pedro o Te Deum de Salvação”.

Dom Bosco escreve que em 1870 se encontrou como que numa ‘realidade sobrenatural’, e ouviu uma voz que lhe informou fatos futuros. Eis algumas partes do que ouviu:

“.... Agora a voz do céu é para o Pastor dos Pastores: ‘Tu estás na grande conferência com os teus assessores, mas o inimigo do bem não fica quieto um instante. Ele estuda e pratica todas as artes contra ti. Semeará a discórdia entre os teus assessores, criará inimigos entre os meus filhos.

As potências do século vomitarão fogo e gostariam que as palavras fossem sufocadas na garganta dos guardiões da minha lei. Isso não acontecerá. ...

... Que farei? Baterei nos pastores, dispensarei o rebanho para que os sentados na cadeira de Moisés procurem bons pastos e o rebanho, docilmente, ouça e se alimente.

Mas sobre o rebanho e sobre os pastores pesará minha mão. A carestia e a peste farão com que as mães chorem o sangue dos filhos e dos maridos mortos em terra inimiga.

E de ti, Roma, que será? Roma ingrata, Roma efeminada, Roma soberba. Tu chegaste a tal ponto que não procuras outra coisa, nem nada mais admiras em teu soberano senão o luxo, esquecendo que sua glória verdadeira está sobre o monte Gólgota. ...

Roma! ... Eu irei a ti quatro vezes. Na primeira golpearei as tuas terras e os seus habitantes. Na segunda, levarei a destruição e o extermínio até os teus muros. Não abres ainda os olhos?

Virei a terceira vez e derrubarei as defesas e os defensores e ao comando do Pai seguirá o reino do terror, do medo e da desolação. Mas os meus sábios fogem. A minha lei continua sendo pisada. Por isso farei a quarta visita.

A guerra, a peste e a fome são flagelos com os quais serão castigadas a soberba e a malícia dos homens. ...’ ”

Outro sonho profético de Dom Bosco:

“ ... Naquele momento, viu-se uma multidão de homens, mulheres, velhos, crianças, monges, monjas e sacerdotes, tendo à frente o Santo Padre, sair do Vaticano ordenando-se como se fosse uma procissão. ...

Nesse meio tempo, chegou-se a uma pequena praça coberta de mortos e feridos, vários dos quais pediam conforto insistentemente.

Depois de ter caminhado por um espaço correspondente a duzentos nasceres do sol, cada um percebeu que não estava mais em Roma. ... Depois, quando pôs os pés na cidade santa, começou a chorar ante a aflição demonstrada pelos cidadãos, muitos dos quais haviam morrido. De volta a São Pedro, cantou o Te Deum ... As cidades, as vilas, os campos tinham sua população bastante diminuída. A terra estava pisada como se tivesse passado um furacão, um temporal, o granizo, e as pessoas iam umas ao encontro das outras dizendo com a alma comovida: Est Deus in Israel.

Do início do exílio até o Te Deum, o sol levantou-se duzentas vezes. Todo o tempo que passou durante a realização desses fatos corresponde a quatrocentos surgires do sol”.

Outra profecia :

“Guerras entre os príncipes e súditos, entre o dogma e o erro, a luz e as trevas, o pobre e o rico. - Um grandioso acontecimento se está preparando no céu, para fazer pasmar a gente. - Far-se-á uma grande reforma entre todas as nações, e o mundo irá misturar-se como um oceano ... Russos, alemães, prussianos, cossacos, persas, polacos, franceses e italianos farão uma mistura, e lá na China e na Índia findará a rebeldia. ... Nunca o grande marulho se afervorou tão forte, nunca se viu um lobo desta espécie. ... A Rússia e a Inglaterra tornar-se-ão católicas. A Itália será pacificada, e o Turco cairá por terra. Conquistarão os lugares da Santa Palestina, e no alto das cúpulas erguer-se-á a Cruz Latina. - Depois, paz universal”.

Em 1883 Dom Bosco teve outro sonho profético, devidamente registrado em suas anotações. Neste, ele viajava por toda a América do Sul. Mas o principal desta profecia é o que seria referente ao planalto central brasileiro:

“... Eu enxergava nas vísceras das montanhas e nas profundas da planície. Tinha, sob os olhos, as riquezas incomparáveis dessas regiões, as quais, um dia, serão descobertas. Eu via numerosos minérios de metais preciosos, jazidas inesgotáveis de carvão de pedra, de depósitos de petróleo tão abundantes, como jamais se acharam noutros lugares.

Mas não era tudo. Entre os graus 15 e 20, existia um seio de terra bastante largo e longo, que partia de um ponto onde se formava um lago. E então uma voz me disse, repetidamente: ‘Quando vierem escavar os minerais ocultos no meio destes montes, surgirá aqui a Terra da Promissão, fluente de leite e mel. Será uma riqueza inconcebível’.”
Observa-se que entre os graus 15 e 20, na América do Sul, há pequenos trechos de terra do Peru e do Chile, algo da Bolívia e grande extensão de terra brasileira, onde se encontra Brasília. A tradução acima desta profecia foi de Monteiro Lobato.
+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++
Os corvos e os meninos; quedas nos pecados —1864
Conta a Crônica de Dom Ruffino:

"Nos dia 14 de abril, (São) João Dom Bosco falou de noite com os estudantes e, ao dia seguinte, aos artesãos também, depois das orações.
Relatou em tal ocasião os dois sonhos seguintes que teve, um antes e o outro depois dos Exercícios Espirituais. Assegurava o (Santo) que aqueles sonhos produziram-lhe um profundo terror.

Era a noite precedente à Dominica in Albis, e pareceu encontrar-me no balcão de minha habitação vendo como os jovens se divertiam. Quando eis aqui que vejo aparecer um enorme tecido branco que cobria todo o pátio, debaixo do qual os jovens continuavam seus jogos. Enquanto contemplava aquela cena, vejo uma grande quantidade de corvos que começaram a voar sobre o tecido, a girar por uma parte e por outra até que introduzindo-se pela extremidade do mesmo, jogaram-se sobre os moços para picar-lhes.

O espetáculo que se ofereceu a minha vista foi desolador: a uns tiravam os olhos; a outros picavam a língua, fazendo-lhe mil pedaços; a este davam bicadas na frente e a aquele outro feriam o coração. Mas, o que mais admiração causava, era como eu me dizia mesmo, que nenhum dos jovens gritava ou se lamentava, mas sim todos permaneciam indiferentes, como insensíveis, sem tentar sequer defender-se.

— Estou sonhando — me dizia a mim mesmo — ou estou acordado? É possível que estes se deixem ferir sem lançar um grito de dor?

Mas ao momento senti um clamor geral e depois vejo os feridos que começam a agitar-se, que gritam, que fazendo grande ruído se separam os uns dos outros. Maravilhado ante aquele espetáculo, comecei a pensar no significado de quanto via.

—Talvez, — pensava em mim — como é na sábado in Albis, o Senhor me quer dar a entender seu desejo de nos cobrir a todos com sua graça. Esses corvos serão os demônios que assaltam aos jovens.
Mas, qual não seria minha surpresa, ao comprovar que na segunda-feira diminuíam as Comunhões, na terça-feira muito mais e na quarta-feira de uma maneira alarmante; até o ponto de que, mediada a Missa, já tinha terminado de confessar.

Nada quis dizer, pois estando próximos os Exercícios Espirituais esperava que tudo ficaria solucionado.

Ontem, 13 de abril, tive outro sonho

. Com o passar do dia tinha estado confessando; portanto, minha imaginação estava ocupada com o pensamento das almas dos jovens, como o está quase sempre. De noite fui descansar, mas não podia fazê-lo; estava meio dormido, meio acordado, até que ao fim fiquei adormecido.

Então, pareceu-me encontrar-me outra vez no balcão seguindo com a vista o recreio dos jovens.

Vi todos aqueles que tinham sido feridos pelos corvos e os observei atentamente. Mais, de repente, apareceu um personagem com um vaso cheio de um bálsamo numa mão. Ia acompanhado de outro que levava um pano. Ambos dedicaram-se a curar as feridas dos jovens, as quais, ao contato com o bálsamo, ficavam imediatamente cicatrizadas. Houve, entretanto, alguns que ao ver aqueles dois personagens aproximar-se, separaram-se deles e não quiseram ser curados. E, o que mais me desagradou, foi que os tais formavam um número bastante respeitável. Preocupei-me de escrever seu nome em uma parte de papel, pois os conhecia todos, mas enquanto o fazia despertei e encontrei-me sem o papel.

Contudo, fiz um esforço para retê-los na memória, e guarda a lembrança de quase todos. Talvez poder-me-ia esquecer de algum, mas acredito que seriam contados. Agora irei falando, pouco a pouco, com os interessados e procurarei induzir-lhes a sanar de suas feridas.
Dêem a importância que queiram a este sonho; o que lhes posso assegurar é que se lhe emprestarem plena fé não causarão prejuízo algum a suas almas.

Recomendo-lhes encarecidamente que estas coisas não saiam do Oratório. Eu o conto todo, mas desejo que tudo permaneça em casa.
O Cronista não faz comentário algum sobre este sonho, nem oferece nenhuma outra explicação, talvez considerando que as palavras do relato exposto por (São) João Dom Bosco oferecem já em si uma interpretação.
(M. B. Volume VII, págs. 649-650)




www.recadosaarao.com

NOSSA SENHORA DE AKITA, rogai pela Humanidade para que se converta!

NOSSA SENHORA EM AKITA

Nas aparições de Akita, Japão, Nossa Senhora mostrou a preocupação de seu Imaculado Coração por causa das calamidades que podem vir ao mundo e para a Igreja. Essas aparições ocorreram em 1973 à Irmã Agnes Katsuko Sasagawa e diante de uma imagem de Nossa Senhora. Em janeiro de 1975, a imagem começou a verter lágrimas com intervalos durante os 6 anos e oito meses seguintes. A imagem chorou 101 vezes. Em 22 de abril de 1984, após oito anos de investigações, após consulta com a Santa Sé, as mensagens de Nossa Senhora de Akita foram aprovadas pelo Bispo da diocese.

Primeira aparição: 6 de julho de 1973: "Minha filha, minha noviça, você tem me obedecido bem, abandonando tudo para me seguir. A doença em seus ouvidos é dolorosa? Sua surdez será curada, tenha certeza. A ferida em sua mão causa-lhe sofrimento? Reze em reparação pelos pecados dos homens. Cada pessoa nesta comunidade é minha filha insubstituível. Você reza direito a prece das Servas da Eucaristia? Reze muito pelo papa, bispos, e sacerdotes. Desde o seu Batismo você tem sempre rezado fielmente por eles. Continue a rezar muito, muito. Diga ao seu superior todo que se passou hoje e obedeça-o em tudo que ele lhe dirá. Ele pedirá que você ore com fervor."

Segunda aparição: 3 de agosto de 1973: "Minha filha, minha noviça, você ama o Senhor? Se você ama o Senhor, ouça o que eu tenho a lhe dizer. É muito importante. Você irá comunicar isso ao seu superior. Muitos homens neste mundo afligem o Senhor. Eu desejo almas para consolá-lo, para aliviar a ira do Divino Pai. Eu desejo, com meu Filho, almas que reparem através de seu sofrimento e sua pobreza pelos pecadores e ingratos. Para que o mundo possa conhecer sua ira, o Pai Celeste está preparando um grande castigo para infligir em toda a Humanidade. Com meu Filho, eu tenho interferido tantas vezes para aplacar a ira do Pai. Eu tenho evitado a vinda de calamidades oferecendo a Ele os sofrimentos de meu Filho na Cruz, seu Precioso Sangue e almas amadas que o consolam formando uma corte de almas vítimas. Oração, penitência e sacrifícios corajosos podem aliviar a ira do Pai. Eu desejo isto também para a sua comunidade. Que ela ame a pobreza, que ela se santifique e reze em reparação pelas ingratidões e ultrajes de tantos homens. Recitem a oração das Servas da Eucaristia com consciência do seu significado. Coloquem-na em prática. Ofereçam em reparação, o que quer que Deus envie, pelos pecados. Deixe cada uma esforçar-se, de acordo com sua capacidade e posição, para oferecer a si mesma ao Senhor. Mesmo em uma instituição secular a oração é necessária. Almas que desejam orar já estão a caminho de serem reunidas. Sem prenderem demasiadamente à forma, sejam fiéis e fervorosas na oração para consolar o Mestre. O que você está pensando em seu coração é verdade? Você está realmente decidida a tornar-se a pedra rejeitada? Minha noviça, você que deseja pertencer sem reserva ao Senhor, tornar-se a esposa digna do Esposo, faça seus votos sabendo que você deve ser pregada à Cruz com três cravos. Estes três cravos são a pobreza, a castidade e a obediência. Dos três, a obediência é o fundamento. Em total abandono, deixe-se guiar pelo seu superior. Ele vai saber entendê-la e dirigi-la."

Terceira aparição: 13 de outubro de 1973: "Minha querida filha, ouça bem ao que eu tenho a lhe dizer. Você irá informar seu superior. Como eu lhe disse, se os homens não se arrependerem e não melhorarem, o Pai irá infligir uma terrível punição a toda a Humanidade. Será uma punição maior do que o dilúvio, tal como nunca se viu antes. O fogo cairá fogo do céu e eliminará uma grande parte da Humanidade, os bons assim como os maus, sem poupar nem sacerdotes nem fiéis. Os sobreviventes irão ver-se tão desolados que irão invejar os mortos. As únicas armas que irão restar para vocês serão o Rosário e o Sinal deixado pelo Meu Filho. Recitem todos os dias as orações do Rosário. Com o Rosário, rezem pelo papa, os bispos e os sacerdotes. A obra do maligno vai infiltrar-se até mesmo dentro da Igreja de tal modo que se verão cardeais opondo-se a cardeais, bispos contra bispos. Os sacerdotes que me veneram serão desprezados e combatidos pelos seus confrades. Igrejas e altares serão saqueados. A Igreja ficará cheia daqueles que aceitam compromissos e o demônio vai pressionar muitos sacerdotes e almas consagradas a deixarem o serviço do Senhor. O demônio vai ser especialmente implacável contra as almas consagradas a Deus. O pensamento da perda de tantas almas é a causa de minha tristeza. Se os pecados aumentarem em número e gravidade, não haverá mais perdão para eles. Com coragem, fale ao seu superior. Ele saberá como encorajar cada uma de vocês a rezar e fazer obras de reparação. Você ainda tem algo a perguntar? Hoje é a última vez que eu vou falar com você em viva voz. De agora em diante, você irá obedecer aquele que foi enviado para você e seu superior. Rezem muito as orações do Rosário. Somente eu ainda posso salvá-los das calamidades que se aproximam. Aqueles que colocarem sua confiança em mim serão salvos."

A oração abaixo era rezada pelas religiosas em Akita e foi rezada por Nossa Senhora também na primeira aparição. Rezemos também e consolemos Jesus Eucarístico:

“Sacratíssimo Coração de Jesus, verdadeiramente presente na Sagrada Eucaristia, eu consagro meu corpo e minha alma para ser inteiramente um com vosso Coração, sendo sacrificado a cada instante em todos os altares do mundo, dando louvor ao Pai e implorando pela vinda do seu Reino. Por favor, receba este humilde oferecimento de mim mesma. Use-me como Vós desejais para a glória do Pai e a salvação das almas. Santíssima Mãe de Deus, nunca me deixe ficar separada de vosso Divino Filho. Por favor defendei-me e protegei-me como vosso especial filho. Amém.

Abaixo Mensagem Para Refletir

ALGUMAS MANEIRAS DE FAZER ALGUÉM FELIZ!!!


Dê um beijo.
Um abraço.
Um passo em sua direção.




Aproxime-se sem cerimônia.
Dê um pouco de calor, do seu sentimento.
Sente-se perto e fique por algum tempo.
Não conte o tempo de se doar.

Liberte um imenso sorriso.
Rasgue o preconceito.
Olhe nos olhos.

Aponte um defeito, com jeito.
Respeite uma lágrima.
Ouça uma história ou muitas, com atenção.
Escreva uma carta e mande.

Irradie simplicidade, simpatia, e a energia de Deus.
Num toque de três dedos, observe as "coincidências".
Não espere ser solicitado, preste um favor.
Lembre-se de um caso.

Converse sério ou fiado.
Conte uma piada.
Ache graça.
Ajude a resolver um problema.
Pergunte: Por quê? Como vai?
Como tem passado?
Que tem feito de bom?
Que há de novo? E preste atenção.

Sugira um passeio, um bom livro, um bom filme.
Diga de vez em quando, desculpe, muito obrigado,
Não tem importncia, que há de se fazer, dá-se um jeito.
Tente de alguma maneira ...

E não se espante se a pessoa mais feliz for você!!!

Evangelize!!!!!




Fonte: Enviado por email do site www.padremarcelorossi.com.br

NOSSA SENHORA DE LOURDES, rogai pelas nossas famílias!

Nossa Senhora em Lourdes

Em Lourdes, Nossa Senhora confirmou que era a Imaculada Conceição, mostrando que seu Coração é Imaculado. As aparições de Lourdes estão aconteceram em 1858 a Santa Bernadette Soubirous, na ocasião com 14 anos. Ela era de família muito pobre e passavam muita fome. Na época das aparições, Bernadette era analfabeta e estava morando com sua família numa masmorra cheia de umidade e mofo, pois não tinham dinheiro para pagar aluguel de uma casa. As aparições aconteceram na gruta de Massabielle à beira do rio Gave e foram reconhecidas pelo bispo diocesano em 1862.



1ª aparição: 11 de fevereiro de 1858. Bernadette conta: “A primeira vez que fui à gruta, era quinta-feira, 11 de fevereiro. Fui para recolher galhos secos com outras duas jovens. Quando estávamos no moinho, eu lhes perguntei se queriam ver onde a água do canal se encontrava com o Gave. Elas me responderam que sim. De lá, seguimos o canal e nos encontramos diante de uma gruta, não podendo mais prosseguir. Minhas duas companheiras se colocaram em condição de atravessar a água que estava diante da gruta. Elas a atravessaram e começaram a chorar. Perguntei-lhes por que choravam e disseram-me que a água estava gelada. Pedi que me ajudassem a jogar pedras na água, para ver se podia passar sem tirar meus sapatos, mas disseram-me que devia fazer como elas, se quisesse. Fui um pouco mais longe, para ver se podia passar sem tirar meus sapatos, mas não poderia. Então, regressei diante da gruta e comecei a tirar os sapatos. Tinha acabado de tirar a primeira meia, quando ouvi um barulho como se fosse uma ventania. Então, girei a cabeça para o lado do gramado, do lado oposto da gruta. Vi que as árvores não se moviam, então continuei a tirar meus sapatos. Ouvi mais uma vez o mesmo barulho. Assim que levantei a cabeça, olhando a gruta, vi uma Dama vestida de branco. Tinha um vestido branco, um véu branco, uma faixa azul na cintura e uma rosa dourada em cada pé, da cor da corda do seu terço. Eu pensei ser vítima de uma ilusão. Esfreguei os olhos, porém olhei de novo e vi sempre a mesma Dama. Coloquei a mão no bolso, para pegar o meu Terço. Queria fazer o Sinal da Cruz, mas em vão. Não pude levar a mão até a testa, a mão caía. Então, o medo tomou conta de mim, era mais forte que eu. Todavia, não fugi. A Dama tomou o Terço que segurava entre as mãos e fez o Sinal da Cruz. Minha mão tremia, porém tentei uma segunda vez, e consegui. Assim que fiz o Sinal da Cruz, desapareceu o grande medo que sentia e fiquei tranqüila. Coloquei-me de joelhos. Rezei o Terço, tendo sempre diante meus olhos aquela bela Dama. Ela fazia escorrer seu Terço entre as mãos, mas não movia os lábios. Quando acabei o meu Terço, Ela fez-me sinal com o dedo eu para me aproximar, mas não ousei. Fiquei sempre no mesmo lugar. Então, ela desapareceu de repente.”



2ª aparição: 14 de fevereiro de 1858. Conta Bernadette: “A segunda vez foi no domingo seguinte. Voltei com várias moças, para ver se não tinha me enganado. Eu me sentia muito constrangida interiormente. Minha mãe tinha-me proibido de voltar. Depois da Missa cantada, as outras duas jovens e eu fomos mais uma vez pedir licença à minha mãe. Ela não queria. Dizia ter medo de eu cair na água. Temia que eu não voltasse para assistir às vésperas. Prometi que sim, e deu-me então a permissão para ir. Fui à paróquia pegar uma garrafinha de água benta para jogá-la na visão quando estivesse na gruta, se a visse. E saímos para a gruta. Ao chegarmos lá, cada uma tomou o seu Terço e nos ajoelhamos para rezá-lo. Apenas tinha acabado de rezar a primeira dezena, quando vi a mesma Dama. Então comecei a jogar água benta nela, dizendo que, se vinha da parte de Deus, que permanecesse. Se não, que fosse embora. Eu me apressei sempre a jogar-lhe água. Ela começou a sorrir e inclinar-se. Quanto mais água eu jogava, mais ela sorria e girava a cabeça. E mais eu a via fazer aqueles gestos. Eu então, tomada pelo temor, me apressei em aspergi-la mais, e assim o fiz até que a garrafa ficou vazia. Quando terminei de rezar meu Terço, Ela desapareceu e não me disse nada. Nós nos retiramos para assistir às vésperas”.



3ª aparição: 18 de fevereiro de 1858: Bernadette contou: “Ela só me falou na terceira vez. Foi na quinta-feira seguinte. Fui ali com algumas pessoas importantes, que me aconselharam a pegar papel e tinta e lhe pedisse que, se tinha algo a me dizer, que tivesse a bondade de colocá-lo por escrito. Tendo chegado lá, comecei a recitar o Terço. Após ter rezado a primeira dezena, vi a mesma Dama. Transmiti esse pedido à Senhora. Ela se pôs a sorrir e disse: “O que tenho a lhe dizer não precisa ser escrito. Quer ter a gentileza de vir aqui durante quinze dias?” Eu lhe respondi: “Sim, prometo.” Ela disse: “Eu não te prometo fazer feliz neste mundo, mas no outro.”



4ª aparição: 19 de fevereiro de 1858. Nossa Senhora não disse nada, apenas sorria. Bernadette tinha uma vela benta acessa na mão. Por causa disso, milhares de pessoas começaram a ascender velas durante as próximas aparições e procissões de Lourdes.



5ª aparição: 20 de fevereiro de 1858. Bernadette conta: “Ela teve a bondade de ensinar-me, palavra por palavra, uma oração somente para mim.” Bernadette rezou esta oração todos os dias de sua vida e nunca a revelou para ninguém.



6ª aparição: 21 de fevereiro de 1858. Bernadette conta: “Esta Rainha misericordiosa me disse também: “Rezem pela conversão dos pecadores.” Ela me repetiu várias vezes essas mesmas palavras”.



7ª aparição: 23 de fevereiro de 1858. Bernadette conta: “Ela me revelou três segredos e me proibiu de contar a quem quer que fosse”. Bernadette nunca revelou esses segredos a ninguém. E explicou: “Eles só se referem a mim, não são nem sobre a Igreja, nem sobre a França, nem sobre o Papa”. Até esse dia, Bernadette sempre estava alegre durante as aparições, pois Nossa Senhora aparecia feliz e sorridente.



8ª aparição: 24 de fevereiro de 1858. Nossa Senhora apareceu triste e Bernadette chorou. A menina subiu de joelhos o aclive que precede a cavidade da gruta, oscilando a cada passo no chão. E muito triste e com soluções, transmitiu a mensagem de Nossa Senhora: “Penitência, penitência, penitência! Rezem a Deus pela conversão dos pecadores. Beijem o chão como um ato de penitência pelos pecadores.”


9ª aparição: 25 de fevereiro de 1858. Bernadette conta: “A Senhora me disse: “Vá à fonte, beba da água e se lave nela.” Mas, como não a via, fui beber no Gave. Ela me disse que não era ali, e me fez um sinal com o dedo para ir à gruta, mostrando-me a fonte. Eu fui, mas só vi um pouco de água suja. Parecia lama, e em tão pequena quantidade, que com dificuldade pude colher um pouco no côncavo da mão. Eu me pus a arranhar a terra, até poder colhê-la, mas três vezes a joguei fora. Foi só na quarta vez que pude bebê-la, de tal maneira estava suja. Ela me disse: “Coma da erva que se encontra no mesmo local.” Foi só uma vez, ignoro por quê. A Senhora me levou a fazê-lo, com um movimento interior”. Bernadette bebeu da água suja e ficou com o rosto cheio de lama. A multidão ficou impressionada e muitos acharam que a vidente estava louca. A água começou a brotar cada vez mais límpida e abundante da fonte. E jorra até hoje esta água que curou tantas pessoas doentes.



10ª aparição: 27 de fevereiro de 1858. Sempre de manhã, pelas 6 e 7 horas, Nossa Senhora não disse nada. Por 15 minutos, Bernadette caminhou de joelhos e beijou o chão várias vezes e convidou as pessoas presentes a fazerem o mesmo.



11ª aparição: 28 de fevereiro de 1858. Bernadette rezou o Terço e beijou o chão novamente. Muitos dos presentes fizeram o mesmo.



12ª aparição: 1º de março de 1858. A pedido, a vidente tinha levado o Terço de uma outra pessoa, mas na hora de rezá-lo a Dama lhe perguntou: “Onde está o seu Terço?”. Bernadette tirou-o então do bolso. Sorrindo, a Virgem lhe disse: “Use-o.”



13ª aparição: 2 de março de 1858. A bela Dama disse: “Vá dizer aos sacerdotes para virem aqui em procissão e construírem uma capela”.



14ª aparição: 3 de março de 1858. Bernadette rezou por muito tempo e se levantou com os olhos repletos de lágrimas dizendo: “Ela não me apareceu”. À tarde, ela voltou à gruta e a Dama apareceu. O pároco da cidade pediu para Bernadette perguntar à Senhora qual era o seu nome: “Eu perguntei a Ela qual era o seu nome. Mas ela apenas sorria.”



15ª aparição: 4 março de 1858. A quinzena das aparições terminou nesse dia. Nossa Senhora também não disse nada. No fim, Bernadette disse: “Sim, Ela vai voltar. Mas agora já não é mais necessário que eu vá à gruta. Quando ela voltar, então será necessário que eu retorne à gruta. Ela me fará saber”.



16ª aparição: 25 de março de 1858: Bernadette acordou com um forte desejo de ir à gruta. Ela conta: “Depois dos quinze dias, eu lhe perguntei de novo seu nome, três vezes seguidas. Ela sorria sempre. Por fim ousei uma quarta vez. E foi então que ela, com os dois braços ao longo do corpo, levantou os olhos ao Céu e depois me disse, juntando as mãos na altura do peito: “Eu sou a Imaculada Conceição”. Estas foram as últimas palavras que ouvi dela. Ela tinha os olhos azuis.”



17ª aparição: 7 de abril de 1858. A aparição durou 45 minutos. Nossa Senhora não disse nada. Durante a aparição, Bernadette segurava uma vela acesa e tocava na chama sem perceber, permanecendo insensível. Mas milagrosamente, não teve nenhuma queimadura.



18ª e última aparição: 16 de julho de 1858, dia de Nossa Senhora do Carmo. A Gruta tinha sido fechada com uma cerca de madeira, por ordem das autoridades. Bernadette teve a aparição com sua tia Lucile e algumas amigas do outro lado do rio Gave, diante da Gruta. Ela conta: “Eu não via nem a cerca nem o Gave. Parecia-me estar na gruta, na mesma distância das outras vezes. Eu via somente a Virgem. Ela estava ainda mais bonita.” Nessa última aparição, Nossa Senhora também não falou nenhuma palavra. Apenas olhava e sorria amorosamente para a vidente que a via pela ultima vez. Bernadette dizia: “Minha Senhora é bela. Tão bela que não tem semelhante. Tão bela que vista uma vez, se deseja morrer para ver de novo. Tão bela que quando vista, não se pode amar nenhuma coisa terrena.”



A princípio, vemos que Nossa Senhora disse pouquíssimas palavras em Lourdes. Em algumas aparições não falou nada. Isso porque a vidente era analfabeta. Ela falou o bastante para Bernadette decorar. Mas se refletirmos, veremos a grande profundidade da “Mensagem de Lourdes.” Antes das aparições, a gruta era úmida, fria, suja e desconhecida. Era um abrigo onde porcos da região se abrigavam e comiam. Essa sujeira representa nossos pecados. E foi ali, que a Imaculada Conceição, apareceu para nos mostrar a pureza da graça de Deus. A Imaculada Virgem Maria desce até esse local sujo, desce ao nosso encontro para nos mostrar sua pureza. Ela quer nos tirar dessa sujeira. Na primeira aparição, Nossa Senhora faz primeiramente o Sinal da Cruz e acompanha o Terço rezado pela pobre menina. É um convite para todos nós ao Sinal da Cruz, sinal de nossa salvação e ao Terço. Na terceira aparição, Nossa Senhora não promete nos fazer felizes neste mundo, mas no outro. É um convite e lembrete à vida eterna no Céu. Na quarta aparição, Bernadette leva a vela benta, assim como nas outras. É um convite a nos voltarmos para Deus que é luz. Nossa Senhora nos convida à penitência, penitência, penitência. Isso é um chamado ao arrependimento e à Confissão. Bernadette bebe da água lamacenta, come ervas amargas dali e fica com o rosto todo sujo. Isso representa a sujeira dos nossos pecados e a amargura de nossa maldade. Nossa Senhora convidou Bernadette a ir à fonte se lavar e beber dela. Essa fonte representa a graça de Deus. Essa graça nos lavará dos nossos pecados. A fonte de Lourdes curou muitos doentes. A doença é conseqüência do pecado. Por isso, Nossa Senhora nos convida também à penitência para merecermos a cura. Bernadette beijou o chão várias vezes. Isso é um convite a fazermos o máximo pelos pecadores. Nossa Senhora perguntou à Bernadette onde estava o seu Terço. É como se Nossa Senhora também nos perguntasse onde estão nossos Terços e nos pedisse para rezá-lo. Ela pediu aos sacerdotes para irem ali em procissão. Isso lembra a importância dos sacerdotes, pois representam o seu Filho Jesus. Nossa Senhora diz que é a Imaculada Conceição. É um convite a sermos mais puros e caminharmos para a santidade. Bernadette é considerada o maior milagre de Lourdes porque deu um magnífico exemplo de vida. Ela pôs em prática esta mensagem durante toda a sua vida. Bernadette sempre foi muito simples, bondosa, humilde e sincera. Ela encontrou para o convento aos 22 anos e ficou lá até sua morte aos 35 anos no dia 16 de abril de 1879. Santa Bernadette sempre foi muito doente, teve asma, tuberculose e um tumor no joelho que lhe causava dores atrozes. Apesar disso, ela estava sempre alegre e oferecia todos os seus sofrimentos pela conversão dos pecadores. O corpo de Santa Bernadette está intacto até hoje. É um sinal milagroso e inexplicável para todos nós. Isso nos prova a santidade de Bernadette e a importância da “Mensagem de Lourdes.”

sábado, 16 de outubro de 2010

Abaixo UMA HISTÓRIA REAL

Relato do padre Steven Scheier



O padre Steven Scheier, dos Estados Unidos, sofreu um acidente de carro em 1985. Quase morto, teve uma visão do seu Julgamento: “Eu estava diante do Trono da Justiça de Cristo. Ele fez toda a revisão de minha vida, acusando-me de várias coisas, de todas quais eu fiz. No final, Ele disse: “A sua sentença por toda a eternidade será o Inferno.” E eu disse: “Senhor, eu sei.” Eu sabia que isto era o que merecia. Então, escutei uma voz feminina dizendo: “Filho, por favor, perdoe a vida dele e sua alma imortal.” Ele disse: “Mãe, por 12 anos, ele tem sido um sacerdote só para si mesmo e não para mim. Deixe que eu conceda o castigo que ele merece.” E Ela continuou dizendo: “Mas Filho, se dermos graças e forças especiais a ele, veremos se dá frutos. Caso contrário, a sua vontade será feita.” Ele então disse: “Mãe, o filho é seu.” Padre Steven Scheier sobreviveu milagrosamente ao acidente. Ele nos conta sobre sua vida antes do acidente e porque quase se condenou:



“Fui ordenado em 1973. Não tenho como comparar a minha vida como sacerdote nesse tempo, no dia-a-dia, creio que não estava muito bem. Eu me preocupava, mas nunca pensava em meus companheiros. E meu sacerdócio não estava ao serviço do povo de Deus, senão em como as pessoas pensavam do que eu estava sendo. Especialmente o que pensavam meus irmãos sacerdotes, depois que fui ordenado. Estes foram os meus primeiros 11 anos desde que fui ordenado. Eu preocupava com o que pensavam meus companheiros sacerdotes. Não acudíamos a outros sacerdotes para direção espiritual, não ajudávamos os outros sacerdotes para assuntos espirituais. Sobre um padre ou outro, eu dizia que não tinha nada a ver sobre o sacerdócio. Conseqüentemente, eu nunca ia a outro sacerdote com algum problema, um problema de pecado, problema espiritual. Não ia. Dentro de mim, eu sabia que não estava sendo o que devia ser, que não era o sacerdote que devia ser. Eu escondia esse ponto e as pessoas pensavam que eu era um bom sacerdote. Era uma espécie de verniz para todos que eu estava sendo mau e incompleto. Em 18 de outubro de 1985, eu estava em uma pequena paróquia no Kansas, chamada Sagrado Coração. A única estrada acessível era a 86, a estrada em que tive o acidente. Ela é fortemente traficada por caminhões, caminhonetes, ônibus. Numa manhã, fui para ver um sacerdote sobre algo relacionado à paróquia. À tarde, andando de carro nesta estrada, me vi morto em um choque de frente com um caminhão. Graças a Deus não morri. Fui lançado fora de meu veiculo e sofri lacerações muito grandes em minha cabeça. Mais tarde, os médicos me contaram que devido ao corpo ser lançado fora do veiculo, meu cérebro foi cortado e muitas células foram afastadas. Eu estava praticamente inconsciente. Atrás de mim e dos outros veículos, veio a ambulância. Uma enfermeira religiosa do Kansas me disse depois numa carta que tratou de me ajudar com uma Ave Maria. Eu não a conhecia, mas ela estava rezando a Ave Maria. A minha segunda vértebra cervical ficou quebrada. Quando ela se rompe, a pessoa se asfixia. Se minha cabeça fosse atingida de frente ou de lado, teria asfixiado também. Eu teria morrido. Veio a ambulância e me trataram de acordo com a situação e levaram para um pequeno hospital no Kansas. Lá, um medico comentou a esta freira que não haveria muito a fazer por mim. Pediram um helicóptero de resgate e me levaram para um hospital maior. Nesse tempo todo, eu estava inconsciente. Me levaram para o centro de traumatologia do hospital, onde me atenderam. Um paroquiano perguntou aos enfermeiros sobre meu estado e os médicos me deram 15% de probabilidade de vida. Eu pensava em minha mãe, pois se preocupava muito. Mais tarde, fiquei sabendo que o ministro da Eucaristia tinha passado a noite inteira em oração por mim. Abriram as portas da igreja de minha paróquia e oraram por mim. Abriram as portas de minha própria igreja e as pessoas vieram toda a noite e rezaram o Terço, entre outros que também rezaram. Deus escuta as orações de todos e é por isso que me encontro aqui na frente de todos vocês. Me recuperei de minha experiência no hospital em tempo recorde. Me deram alta em 2 de dezembro de 1985. Todavia, minha cabeça e corpo estavam imobilizados. O bispo mandou abrir minha paróquia de modo que voltei em maio de 1986. No regresso à minha paróquia, quando estava celebrando Missa e escutando trecho do Evangelho de Lucas, um trecho que gosto muito: a Parábola do agricultor que olhava a figueira que não dava frutos há mais de três anos. Por que não a corta e joga ao fogo? Por que ocupar a terra? E o viticultor pergunta: Senhor, por que não põe adubo? Então veremos se produz frutos. Caso contrário, iremos cortá-la. Quando eu estava lendo isto no lecionário da Igreja, fiquei estupefato. A página como que saltou do lecionário para mim. Terminei a Missa o melhor que pude, regressei à diretoria, me sentei e tomei várias xícaras de café. E recordei de uma conversa que tive pouco depois do acidente. Eu estava diante do Trono da Justiça de Cristo. Não tenho como calcular o quanto demorou a passar toda a revisão de minha vida, acusando-me de várias coisas, de todas quais eu fiz. Não houve repreensões. Eu havia imaginado como muitos outros imaginariam, que quando me apresentasse diante do Trono da Justiça, poderia apresentar muitas desculpas dizendo para o Senhor que me provocaram. Eu teria uma série de desculpas pelo meu fracasso. Mas Ele estava falando a verdade. E quando falam a verdade, não se pode apresentar desculpas. Tudo o que eu dizia era: “Sim, essa é a verdade. Senhor, eu sei.” No final, Ele diz: “A sua sentença por toda a eternidade será o Inferno.” E eu disse: “Senhor, eu sei, eu sei. É a única coisa que poderia ser. É a única coisa lógica que poderia ser.” Eu sabia que isto era o que merecia. E eu só o escutei. Então, escutei uma voz feminina dizendo: “Filho, por favor, perdoe a vida dele e sua alma imortal.” Ele disse: “Mãe, por 12 anos, ele tem sido um sacerdote só para si mesmo e não para mim. Deixa que eu conceda o castigo que ele merece.” E Ela continuou dizendo: “Mas Filho, se dermos graças e forças especiais a ele, veremos se dá frutos. Caso contrário, faça a sua vontade.” Houve uma pausa bem curta. Ele então disse: “Mãe, o filho é seu.” Desde então, tenho sido Dela, ordinariamente e sobrenaturalmente. Como estava dizendo, acho que existem coisas graças à Mãe. Mas vocês podem estar perguntando: padre, você tinha uma devoção especial a Ela antes do acidente? Eu digo que não. Devo confessar outra coisa. Eu creio em nosso Senhor Jesus Cristo, em Nossa Senhora, nos Anjos e nos Santos de duas maneiras: com a cabeça, intelectualmente e com meu coração. Isto é importante. Eu acreditava no que tem lá em cima, mas não sabia nada sobre isto. Eu acreditava nos Anjos, nos Santos, nosso Senhor Jesus Cristo, mas eram amigos imaginários. Não eram reais. Quando recuperei a consciência e o pensamento de novo, essa era uma das coisas de que eu estava muito consciente. Eram as únicas coisas reais que existiam. E o mundo não era mais que um mundo de sombras. Só pensávamos num lugar: nós aqui e muitas de nossas prioridades estavam confundidas. Minhas próprias prioridades estavam confundidas. Minha própria prioridade passou a ser salvar minha alma e ajudar os outros a se salvar. É isto o que um sacerdote devia ser de todas as maneiras. E inverti este futuro. Não é o futuro no qual eu estava andando, mas na felicidade aqui da Terra como um sacerdote retirado. Mas se o padre morre, seus paroquianos não irão pensar que seu pároco terá ido para o Inferno? Não. Mas como disse, uma das coisas que me assombraram foram opiniões de tomei conta da popularidade nos corações. E é isto o único que me importava: o que pensavam do padre Steven Scheier. Era isso a única coisa que contava, nada mais. Porque estava só diante Dele e não se pode enganar mais. Ele é o que me conhece. E não pedi sua opinião sobre mim. Ele sabe, Ele sabe. Temos Nossa Senhora. Eu não tinha devoção especial a Ela. Mas desde então, Ela me converteu a tudo. Na Cruz, Jesus olhou para Ela, para o apostolo amado e disse: “Mulher, eis aí o seu filho.” Como se entregasse toda a Igreja. Isso tenho levado muito a sério. Pois qualquer um na mesma situação que eu sofreria as mesmas conseqüências. E experimentaria a infinita misericórdia de nosso Senhor Jesus Cristo. É isto o que experimentei, sua misericórdia graças à sua Mãe que intercedeu por mim. Algo que aprendi desde então. Esta é uma maravilhosa verdade em relação à Trindade, Pai, Filho e Espírito Santo. Ninguém pode dizer que não existe. De nossa parte, não devíamos temer esta Pessoa. Quando eu digo que era um sacerdote para mim mesmo, não importava absolutamente. O prestigio de sacerdócio, era como quem diz em linha aos companheiros. Não tinha problemas em celebrar a Missa, nem tampouco em escutar a Missa. A Eucaristia não significava tanto para mim quanto para outros sacerdotes. Havia sacerdotes que falavam muito sobre sua primeira Missa. A minha nunca foi assim. Creio que foi a atitude de não ser sacerdote para Deus, não ser seu seguidor e isto significa sofrer. Pois sendo um sacerdote para mim, eu sempre corria da cruz, sempre. Desde então, se corremos da cruz, não esperamos coisas grandes. Elas não são duras, não são eternas e sempre estão aí. Pois eu fui um covarde nesses 12 anos, fui um sacerdote que tinha pouco treinamento na espiritualidade em minha vida no Seminário. Apesar de terem passado 12 anos, não havia nenhuma espiritualidade, ao contrário, estava como um aluno no Seminário, não estava preparado para o tipo de vida de um sacerdote. Esta vida é de sacrifício. E eu não era um sacerdote, não pude ser um sacerdote. E a sentença que recebi no final dos comentários de Nosso Senhor não foi tanto sobre meu sacerdócio, pois havia os outros Mandamentos. E há sacerdotes que estão desobedecendo os Mandamentos. A minha vida de sacerdote só foi como decorar um papel. Mas o papel estava podre. E o decoração estava amarga. Esses foram os 12 anos em que eu fazia o papel de um sacerdote. Tudo tinha que me dar segurança. Minhas homilias, a vida em que vivia na paróquia, os comentários das pessoas, tudo isso serviu para me engrandecerem. Se não me engrandeciam, eu sofria. Havia maneiras de escapar disso e todos temos maneiras de como escapar de dores. E eu tomei alguns caminhos próprios de como escapar dessa dor. Os sacerdotes cometem seus pecados como qualquer outra pessoa. Minha missão especial é dizer aos sacerdotes que também estamos expostos ao Inferno. E que o Inferno existe. Mas também existe a divina misericórdia. O amor de Deus é maior que a justiça. O conselho que eu daria a qualquer sacerdote recém ordenado é que sejam sacerdotes ao serviço de Nosso Senhor Jesus Cristo. Sejam sacerdotes de oração. Onde vale a oração, vale o sacerdócio. E não devemos ter medo de dizer as coisas tais como vemos e como devem ser. Isto não nos tornará populares, mas faz parte de ser seus seguidores. Jesus nunca prometeu que seremos populares sendo seus seguidores. Ele só prometeu cruzes. Mas Ele está aí. Sua Santíssima Mãe está aí para nos ajudar. Um amigo me disse que um sacerdote sem oração está morto. Um sacerdote sem o Santíssimo Sacramento está morto. Um sacerdote sem a Santíssima Mãe está morto. Eu aprendi minha lição. E Deus mostrou a minha ameaça de condenação eterna para chamar minha atenção. No acidente, eu não vi o Céu, não vi a Nosso Senhor, não vi sua Santa Mãe. Eu só os escutei. Naquele momento não havia diferença alguma. Eu me confessava com regularidade. Eu usava este Sacramento como um seguro contra incêndio. No momento do acidente, vi um caminhão em minha direção. Eu me perguntava quantas de minhas Confissões eram válidas, pois não tinha propósito de emenda. Eu sentia dor, mas não era uma dor real. Era um arrependimento interesseiro, pois sabia que se morresse em pecado, minha alma seria castigada pelo Deus Todo Poderoso com o castigo eterno. Esse tipo de arrependimento não é válido. Devemos ter um Ato de Contrição perfeito, pois nem sempre podemos estar arrependidos. Não podemos estar arrependidos só por esta razão. Não é o arrependimento verdadeiro. Eu estava na desafortunada situação de não me importar com coisas que não deveria fazer. Assumi coisas que não deveria ter assumido. Havia tempo para mim. Mas para me converter, para ser um sacerdote, não havia tempo. Tive dois pequenos acidentes. Disse a meu pastor: sinto que haverá outro. O próximo será grande. O Senhor tem suas maneiras de advertir e eu não escutei. Eu não escutei pelo prazer que estava experimentando e não estava disposto a permitir que me mudasse.”